Assunção Cristas ignora Rio. Ela é "a única alternativa" a Costa

Líder do CDS assume nova ambição eleitoral para o partido: "É possível disputar a primeira liga". O CDS, disse, fala "para todos" mas assume-se democrata-cristão. E joga sempre na "antecipação" da jogada política.

Rui Rio e o PSD foram ontem os elefantes na sala do centro multiusos de Lamego, no primeiro dos dois dias do 27º congresso nacional do CDS-PP. Quase nem foram referidos - mas foi obviamente contra o PSD e o seu novo líder que Assunção Cristas deu o passo em frente na afirmação de uma nova ambição eleitoral para o CDS-PP nas próximas eleições legislativas.

No discurso com que ontem fez o balanço da liderança partidária que conquistou em 2016, e onde apresentou a sua estratégia para os próximos dois anos, a líder centrista dificilmente poderia ter sido mais clara - suscitando aliás aplausos de pé dos congressistas: "O CDS não só é a alternativa como é a única alternativa! Vamos para a rua, vamos trabalhar!"

Antes, já tinha salientado que o partido superou todos os desafios eleitorais que enfrentou desde 2016 (eleições autárquicas e regionais dos Açores). E na sequência disso clarificou: "Sim, é possível chegar a outro patamar! Sim, é possível disputar a primeira liga".

Afirmando insistentemente que o CDS tem de ter a ambição de falar para "todos", reforçou: "Somos o partido alternativo ao socialismo que nos governou anos demais, nos endividou anos demais, nos empurrou para a ajuda externa vezes demais." Isto é, o partido quer "ser o primeiro partido no espaço do centro e da direita, sem hesitações, sem complexos, com 40 anos de história atrás de nós a inspirar os muitos anos que temos pela frente".

Cristas ignorou referências explícitas ao PSD mas não as poupou quanto ao Governo de António Costa e à "geringonça" em geral. Foi contra "as esquerdas encostadas" - e não contra o PSD - que afirmou o CDS como "a única alternativa" ao PS. O PS e a maioria de esquerda - disse - "não têm uma visão de futuro para o país", são "imobilistas", "escondem a austeridade" que se vê "na degradação dos serviços públicos essenciais" e são incapazes de "baixar a carga fiscal".

Contra isto, afirmou o CDS-PP como "o partido que prepara o futuro", advogando o único caminho que conhece: "jogar por antecipação". "Quando os outros estão a pensar nós já lá estivemos, quando os outros lançam um tema nós já o tratamos ou rapidamente colocamos em cima da mesa das nossas ideias".

E assim, fiel a este princípio do "jogar por antecipação", anunciou que o CDS vai levar a votos no Parlamento - onde disse que seu partido tem "a melhor bancada" - o Programa de Estabilidade que o Governo terá de apresentar brevemente, e que "enformará" a preparação do próximo Orçamento do Estado. Isto para que "fique absolutamente claro que as esquerdas estão bem unidas" - e tendo o partido novamente o cuidado de avançar contra "propostas alternativas". Foi também nesta linha de "antecipação" de jogada política que o CDS foi o primeiro partido a anunciar, ontem no congresso, o seu cabeça de lista para as eleições europeias que se realizam em 2019. Nuno Melo, eurodeputado desde 2009, é a escolha "natural" da direção centrista.

Ao mesmo tempo, falando para dentro, procurou dissuadir discussões sobre supostos afastamentos ou não do partido em relação à sua matriz democrata-cristã. Garantindo que essa matriz é o "eixo" em redor do qual roda a ideologia do partido, a líder do CDS salientou no entanto que "a doutrina não se proclama mas põe-se em ação". "Não esqueço nem o nosso programa nem a nossa história mas não me peçam, por um segundo que seja, que me perca em discussões e esqueça quem precisa de ajuda, de orientação, de apoio, para subir na vida e para darem melhor futuro aos nossos filhos."

Antes, no início dos trabalhos, já o histórico líder do CDS Adriano Moreira, tinha, comovido com a homenagem que o congresso lhe fez, e falando do alto dos seus 95 anos, "abençoado" a liderança de Cristas ("a nossa presidente") dizendo que ela "assumiu" o "legado" da democracia-cristã que procurou deixar no partido.

Para o velho "senador" centrista, Cristas representa "a sabedoria, a família, a liberdade de pensamento" e ainda "a severidade carinhosa com que as mulheres nos ajudam a corrigir as coisas", chegando a fazer comparações com o pontificado do Papa Francisco. "Fui questionado à entrada sobre se o CDS estava a esquecer a matriz democrata-cristã. Não está. Não é possível mudar o paradigma. Olhem para o Papa Francisco. Ele não tem outro Evangelho. Mas tem de fazer uma adaptação aos novos tempos. É isso que está a fazer." Traduzindo: é isso que o CDS está a fazer, adaptando a sua matriz original "aos novos tempos".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.