Assunção Cristas anuncia que CDS vai abster-se na TSU

A líder do partido afirmou esta manhã que não quer colocar em causa o acordo de concertação social

Assunção Cristas afirmou esta manhã, em entrevista à SIC Notícias, que o CDS vai abster-se na questão da Taxa Social Única (TSU). A líder centrista explicou que não quer colocar em causa o acordo de concertação social.

"O CDS valoriza muito a concertação social. Achamos que não faz sentido não poder ajudar a que esse acordo venha a ser cumprido. Está nas mãos do CDS ter propostas positivas para compensar um problema que não fomos nós que criámos", disse Assunção Cristas, defendendo que esta medida - uma compensação para o aumento do salário mínimo - "não é fantástica".

Cristas especificou que o partido irá apresentar quatro propostas para "reequilibrar o acordo".

Já ontem, no debate quinzenal na Assembleia da República, a líder do CDS dissera que "o CDS votou contra uma medida deste tipo em 2016" porque "é contra uma descida da TSU com base no financiamento da Segurança Social" mas frisou que o partido " não contribuirá, como o Governo quer, para desvalorizar a concertação social". No entanto, não concretizou o que o partido iria fazer.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.