Cristas acusa governo de "incapacidade em lidar com questões de soberania"

"Assistimos a uma total descoordenação e inaptidão em lidar com a transparência", acusou a líder do CDS-PP

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, acusou no sábado o governo "de total incapacidade em lidar com as questões da soberania".

A líder dos centristas falava no jantar do 43.º aniversário do partido, realizado na Póvoa de Varzim, num evento que serviu, também, para apresentar os candidatos autárquicos do CDS-PP a este concelho nortenho.

"Nas últimas semanas assistimos ao que mais escandaloso há, com este governo a mostrar total incapacidade em lidar com questões profundamente relevantes como é a soberania", disse Assunção Cristas.

A presidente do CDS-PP apontou que o executivo socialista "nunca olhou com o respeito suficiente para as áreas da defesa, da administração interna, da segurança interna e, muitas vezes, da justiça", deixando alguns exemplos.

"Assistimos a uma total descoordenação e inaptidão em lidar com a transparência. Na tragédia de Pedrógão Grande vimos algo inimaginável, num total falhanço do estado, e uma incapacidade em lidar com as entidades que estão sobre a sua tutela", afirmou.

No seu discurso na Póvoa de Varzim, perante simpatizantes e militantes do partido, entre os quais o vice-presidente e euro-deputado Nuno Melo, o líder de bancada parlamentar, Nuno Magalhães, assim como vários outros deputados da Assembleia da República, e dirigentes das distritais, Assunção Cristas abordou, também, a questão do furto do material militar em Tancos.

"É muito grave virem membros do governo desvalorizaram o incidente e o primeiro-ministro dizer que nada daquilo tinha importância, que era uma sucata, e quase que tínhamos de agradecer terem levado o material", disse a dirigente.

"Tal toca as raias do escandaloso, parece que estão a fazer de todos os portugueses parvos, e nós não somos parvos", acrescentou.

Assunção Cristas também 'apontou baterias' ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Artur Santos Silva, e à forma como, alegadamente, o governante se afastou do debate, com os homólogos europeus, sobre a questão da Venezuela.

"Não vai aos conselhos de ministros em Bruxelas. Deve achar maçador ter que interagir com os seus colegas europeus, pois em sete reuniões foi apenas a duas", afirmou, questionando: "Não haverá nada a dizer? Não haverá uma posição portuguesa para ser defendida?".

Assunção Cristas considerou "muito estranho que numa última reunião, quando foi abordado o tema da Venezuela, onde vivem 500 mil portugueses, o ministro não achou importante ir, tal como o secretario de estado".

"Esteve apenas o nosso embaixador, e dir-me-ão que o tema não estava na agenda, mas não seria suficiente importante, mesmo assim, percebermos que iria ser tratado, e lá falar com os outros ministros para trocar impressões, preocupando-se com os venezuelanos e sobretudo com os portugueses que lá vivem?", voltou a questionar.

Nesta toada, Assunção Cristas concluiu que "o governo falha quando não põe os temas em cima da mesa e discute as áreas de segurança e proteção dos cidadãos".

"O estado existe antes de tudo mais, antes da educação, da saúde, dos transportes, das prestações sociais, para proteger e dar segurança aos seus cidadãos, esse deve ser o coração de qualquer estado", rematou.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".