Assinar ecografia antes de abortar assemelha-se a "pena acessória"

Teresa Leal Coelho, deputada do PSD, discorda da iniciativa, mas apoia projeto para acabar com a isenção de taxas moderadoras em caso de Interrupção Voluntária da Gravidez.

A deputada social-democrata Teresa Leal Coelho defendeu hoje que a medida contida na iniciativa de cidadãos pelo "direito a nascer" de obrigar à assinatura pela mulher de uma ecografia antes da IVG "é no mínimo uma pena acessória".

"Discordo absolutamente", declarou Teresa Leal Coelho à Agência Lusa, que disse, por outro lado, concordar com o projeto de PSD e CDS-PP para pôr fim à isenção de taxas moderadoras em caso de Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG).

No dia 3 de julho o parlamento vai discutir um projeto da maioria para equiparar a IVG aos outros atos médicos e aplicar taxas moderadoras seguindo o regime geral e uma iniciativa legislativa de cidadãos que propõe diversas medidas, como mostrar à mulher e fazê-la assinar uma ecografia antes da IVG, e também o fim da "equiparação entre maternidade e IVG" para efeitos de prestações sociais e taxas moderadoras.

"Assinar uma ecografia parece-me no mínimo uma pena acessória. Está absolutamente fora de questão fazer exigências legais seja a que ato médico for", declarou.

Sobre o fim da isenção de taxas, Teresa Leal Coelho não vê "inconveniente, desde que sejam salvaguardadas as isenções previstas", que incluem os menores de 18 anos e utentes em situação de insuficiência económica.

No mesmo sentido, a deputada do PSD Francisca Almeida concorda com o fim da isenção de taxas, mas rejeita as restantes medidas da iniciativa legislativa de cidadãos "como ter de assinar uma ecografia e um conjunto de propostas que, sob a capa da proteção da natalidade, o que querem é desfazer o que foi aprovado" anteriormente com a lei da IVG.

"Assinar a ecografia é manifestamente desajustado", declarou, considerando que se deve fazer pedagogia sobre a matéria e também incrementar o planeamento familiar.

A conferência de líderes parlamentares tinha decidido no dia 17 deste mês não agendar a discussão desta iniciativa legislativa de cidadãos, propondo que transitasse para a legislatura seguinte, o que foi decidido com o acordo de todos os partidos.

O presidente da Assembleia em exercício na altura, Guilherme Silva (Assunção Esteves estava em visita oficial à Guiné-Bissau) ficou incumbido de comunicar aos proponentes, explicando-lhes que a iniciativa caducava caso fosse discutida na generalidade e depois o processo legislativo não fosse concluído na especialidade e com votação final global. Sem iniciar a votação em plenário, poderia ser discutido na legislatura seguinte.

A Rádio Renascença avançou na quarta-feira que a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, tinha-se comprometido com a discussão desta iniciativa e ficou desagradada com a tentativa de adiamento, tendo-se desdobrado em contactos nos últimos dias para tentar garantir que fosse debatida até às férias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.