ASAE encerrou 40 por cento dos restaurantes chineses

Ping Chow, da Liga dos Chineses em Portugal, disse à Lusa que a visita da ASAE em 2006 fez "bastantes estragos", mas também "obrigou o sector a adotar sistemas mais sofisticados e mais aceitáveis".

Ping Chow, da Liga dos Chineses em Portugal, disse à Lusa que a visita da ASAE em 2006 fez "bastantes estragos", mas também "obrigou o sector a adotar sistemas mais sofisticados e mais aceitáveis". "Houve eliminação dos mais fracos e dos menos preparados", adiantou.

 Ping Chow diz que esta ação da ASAE teve como principal aspeto negativo o ter transmitido uma imagem geral de que todos os restaurantes estavam em condições inaceitáveis e com falta de higiene". Esta imagem afastou os clientes e esta distância levou a que muitos restaurantes, "mesmo os que estavam em boas condições", não sobrevivessem.

 Ping Chow estima que cerca de 40 por cento dos restaurantes chineses tenham encerrado em resultado -- imediato ou posterior -- da iniciativa da ASAE. Mas este dirigente enaltece o facto de a operação ter permitido que agora só "os melhores" estejam a funcionar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.