ASAE diz que não há risco para a saúde pública

A ASAE considera que não existe risco para a saúde pública, depois de avaliar as suspeitas sobre carne com vestígios de fenilbutazona, uma droga com propriedades anti-inflamatórias, em almôndegas e hamburgueres.

"Os valores de resíduos de fenilbutazona alegadamente detetados em duas amostras, uma de hambúrgueres e outra de almôndegas, são vestigiais, pelo que efetuada a respetiva avaliação de risco, tendo por base os dados disponíveis, não se considera existir risco para a saúde pública", lê-se num comunicado emitido hoje pela Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

A ASAE diz ainda que continua atenta a esta questão, tendo solicitado informação adicional, "de modo a validar a metodologia utilizada".

Na quinta-feira, a Deco anunciou ter detetado vestígios daquele medicamento em produtos alimentares à venda em Portugal -- nas amostras de hambúrgueres Auchan e nas almôndegas Polegar -- o que é proibido na alimentação humana.

"Não existe qualquer resultado positivo em produtos com origem nacional", afirma a ASAE, referindo-se às "diligências até agora efetuadas".

A Autoridade continua, no entanto, a recolher amostras e a fiscalizar o mercado.

"Não está em causa uma situação de falta de controlo sobre esta matéria", garante, acrescentando que a proteção dos consumidores nestes casos é assegurada pelo Plano Nacional de Controlo de Resíduos.

Em Portugal, sublinha a ASAE, "não existe histórico da presença de resíduos desta substância na carne de cavalo analisada no âmbito dos planos de vigilância".

De acordo com a Deco, os problemas relacionados com carne de cavalo rotulada como produto de origem bovina podem ser mais abrangentes do que uma mera fraude económica e demonstrar falta de controlo em todo o processo.

A ASAE sublinha que os lotes de produtos referidos onde foram detetados resíduos daquela substância não estão já à disposição do consumidor, tendo sido retirados do mercado quando se detetou que continham carne de cavalo sem que tal fosse mencionado na rotulagem.

"A ASAE havia já fiscalizado o distribuidor dos produtos em questão e o seu fornecedor", afirma no comunicado esta entidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.