ASAE detetou casos em produtos que já foram retirados

A ASAE detetou vestígios de carne de cavalo em produtos à base de carne que já foram retirados do mercado, anunciou hoje esta entidade num comunicado, sublinhando que não há riscos para a saúde pública.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) tem estado a recolher e a analisar amostras de alimentos, junto de vários operadores económicos, nas últimas duas semanas, para identificar indícios de fraude económica, proteger os direitos dos consumidores e combater riscos para a saúde pública.

"Em resultado da vigilância do mercado e das análises realizadas pela ASAE, foram detetadas situações pontuais de vestígios de carne de cavalo em preparados de carne e produtos à base de carne, que foram apreendidos e retirados, de imediato, do mercado", adianta o comunicado, sem identificar casos em concreto.

Até agora "os produtos disponíveis no mercado nacional são géneros alimentícios seguros", informa a ASAE, acrescentando que vai prosseguir com uma vigilância apertada do mercado, "garantindo assim a saúde pública e a segurança alimentar dos consumidores, sem prejuízo das ações de controlo interno e retirada voluntária de produtos desenvolvidas pelos operadores económicos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.