Dez detidos por venda ilegal online de bilhetes para concerto dos U2

Foram ainda apreendidos 26 ingressos para o espetáculo

A Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) deteve dez pessoas em flagrante delito por venda ilegal de bilhetes online para os concertos dos U2 em Portugal, tendo ainda apreendido 26 bilhetes, adiantou esta autoridade em comunicado.

Segundo a ASAE, as dez pessoas foram detidas em flagrante delito, em vários pontos do país, pela prática do crime de especulação sobre o valor de venda oficial de bilhetes para os concertos.

"A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), através da sua Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal, tem vindo a desenvolver, desde fevereiro, uma ação de vigilância online da venda de bilhetes, direcionada para o combate à especulação, cuja oferta se encontra a ser divulgada através de diversos sites de anúncios na Internet, para os concertos da banda irlandesa U2, que virá atuar em Portugal no próximo mês de setembro", refere o comunicado da ASAE.

A autoridade adiantou ainda que foram apreendidos 26 bilhetes "com valores unitários faciais que variam entre os 37 euros e 200 euros, que eram transacionados por valores que oscilavam entre os 150 euros e 400 euros, permitindo, aos vendedores, a obtenção de percentagens de lucro acima dos 200%".

Segundo o comunicado, os arguidos já foram presentes a tribunal "tendo sido aplicadas suspensões provisórias de processo, mediante injunções pecuniárias com entrega de valores a IPSS, ou prestação de trabalho comunitário".

A ASAE alerta ainda os consumidores para evitarem a compra de bilhetes "acima do seu valor oficial, uma vez que essa venda constitui um Crime de Especulação, punido com pena de prisão até três anos".

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.