ASAE desmantela três locais de abate clandestino

Locais encerrados ficam em Armamar, Elvas e arredores de Fátima

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) anunciou hoje que desmantelou três locais de abate ilegal de animais para consumo público, sem a competente inspeção sanitária, em Armamar, Elvas e nos arredores de Fátima.

Em comunicado, a ASAE refere que foram apreendidos 10 cabritos, 16 leitões, uma balança, diverso material de corte e ainda um carimbo com marca de inspeção sanitária, nestas localidades dos distritos de Viseu, Portalegre e Santarém.

A apreensão do carimbo, segundo a ASAE, foi o "culminar de uma investigação relativa à utilização do referido carimbo por diversos assadores para marcação de leitões provenientes de abate clandestino, facilitando a sua entrada ilegal no circuito comercial".

Foram detidas duas pessoas e instaurados três processos-crime, por abate clandestino e falsificação de cunhos ou selos, tendo em consideração o abate de animais fora das instalações licenciadas para o efeito, "suscetíveis de afetar a saúde dos seus consumidores", adianta o comunicado.

A ASAE indicou ainda que este é o resultado de diversas ações de fiscalização, que efetuou esta semana, no âmbito do combate ao abate clandestino, "atendendo aos riscos associados ao consumo de carne proveniente de estabelecimentos não licenciados para o efeito".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.