ASAE apreende mais de 33 toneladas de bacalhau em Ílhavo

Foi ainda instaurado um processo de contraordenação à empresa em causa

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu mais de 33 toneladas de bacalhau, por suspeitas de anormalidade, numa empresa de Ílhavo, no distrito de Aveiro, anunciou esta terça-feira aquele organismo.

Em comunicado divulgado hoje, a ASAE refere que desencadeou uma ação de fiscalização direcionada a indústrias de produtos de origem animal, no concelho de Ílhavo.

Durante esta ação, realizada pela brigada especializada das indústrias, foi fiscalizada uma indústria de preparação e transformação de produtos da pesca, tendo sido apreendidas mais de 33 toneladas de bacalhau, por suspeitas de anormalidade.

"Após realização da perícia ao produto apreendido, foram encaminhados, para destruição 25 toneladas de bacalhau com falta de requisitos, no valor de 22.302 euros, numa unidade de transformação de subprodutos", refere a mesma nota.

As restantes oito toneladas de bacalhau, foram devolvidas ao operador económico por se encontrarem em bom estado.

A ação teve ainda como resultado a instauração de um processo de contraordenação à empresa em causa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.