ASAE apreende garrafas de 'Barca Velha' e 'Pêra Manca' falsificadas

ASAE anunciou hoje a apreensão de 16 garrafas de vinho 'Barca Velha', de várias colheitas, e duas de 'Pêra Manca' falsificadas que poderiam valer cerca de 10.000 euros no mercado de vinhos.

Em comunicado, a ASAE revela que, através da sua Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal, tem vindo a fazer investigações durante este ano, estando atenta à autenticidade de garrafas de vinho 'Barca Velha' e 'Pêra Manca' que se encontram em comércio e circulação no mercado nacional.

O organismo detetou várias garrafas destes vinhos 'premium' portugueses falsificados, sendo vendidos como autênticos em vários locais, como leilões online, ofertas diretas online e ainda em garrafeiras, em Lisboa e Leiria.

Segundo a ASAE, foram já foram identificados vários suspeitos, entre vendedores e fornecedores.

As investigações detetaram falsificações de 'Barca Velha' dos anos 2000 e de 2004 (valor médio de venda no mercado de 600 euros a unidade), bem como colheitas mais antigas de 1981 e 1985, com valor médio de venda no mercado de 400 euros a unidade que, pelo decurso do tempo, armazenamento e a espectável degradação dos rótulos, dificultam a distinção para o consumidor, entre garrafas genuínas e falsificadas.

Em relação às duas garrafas de 'Pêra Manca' diziam respeito ao ano de 2008.

A ASAE adverte que, pelo valor unitário destes produtos e pelo aumento da sua exposição às falsificações, face à procura crescente, os consumidores devem reduzir os riscos nas suas compras, solicitando, por exemplo, a consulta da respetiva fatura de aquisição (para averiguar a sua proveniência) e aumentando a precaução nas compras online.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.