ASAE detém seis pessoas por abate clandestino

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica apreendeu 78 carcaças de animais, avaliadas em mais de 5.600 euros, numa ação contra o ilícito criminal contra a saúde pública

Quase 80 carcaças de leitões, cabritos e borregos, avaliadas em mais de 5.600 euros, foram apreendidas pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica em operações de combate ao abate clandestino, em que foram detidas seis pessoas, foi hoje anunciado.

As operações de fiscalização "realizadas nos últimos dias" em todo o país tiveram em conta "o risco para a saúde pública, associado ao consumo de animais provenientes do abate clandestino", refere a ASAE em comunicado.

"Estas operações tiveram presente o facto de, tradicionalmente, na época da Páscoa existir um maior consumo de carne de espécies animais suscetíveis de, eventualmente, serem alvo de abate clandestino, o que constitui um risco, se comprovada a inexistência de competente inspeção sanitária e abate fora de matadouros licenciados", adianta ASAE.

Como resultado destas ações foram instaurados sete processos-crime pelo ilícito criminal contra a saúde pública, designadamente relativo a abate clandestino e efetuadas seis detenções em flagrante delito.

Na região centro, foram apreendidas 65 carcaças de leitões em dois assadores ilegais, com a suspensão das respetivas instalações, por falta de requisitos gerais e específicos de higiene.

Segundo a ASAE Foram também apreendidas 13 carcaças de cabritos e borregos, assim como 16 quilos de carne de ovino em explorações pecuárias e talhos e diverso material utilizado para o abate dos animais.

Foram ainda apreendidas 36 carcaças de leitão por falta de requisitos de higiene no transporte.

"O valor total das apreensões ascendeu a um montante superior de 5.600 euros", acrescenta o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.