ASAE abriu quatro processos crime no Festival Sudoeste

A ASAE anunciou hoje que instaurou, no âmbito do Festival Sudoeste, na Zambujeira do Mar, quatro processos-crime a agentes económicos e 22 processos de contraordenação

Na operação, a ASAE apreendeu ainda produtos e equipamentos no valor global de 11.250 euros.

Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) explicou que, durante o festival de música naquela localidade alentejana do distrito de Beja, que decorreu entre os dias 5 e 9 deste mês, efetuou no concelho de Odemira diversas ações de fiscalização.

Essas ações tiveram lugar entre os dias 7 e 9, incidiram na área da segurança alimentar e económica e foram direcionadas, sobretudo, a estabelecimentos de restauração e bebidas, tendo sido inspecionados "45 operadores económicos", revelou.

Os quatro processos-crime instaurados devem-se a "géneros alimentícios anormais avariados", ou seja, alimentos "impróprios para consumo", jogo ilícito e uso indevido de documento de identificação alheio, disse à agência Lusa fonte da ASAE.

Quanto aos 22 processos de contraordenação, as principais infrações detetadas foram venda/disponibilização de álcool a menores, falta de requisitos de higiene, falta de aviso do álcool e falta de registos de temperatura.

Além destes resultados, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica identificou 13 menores, com idades entre os 16 e 17 anos, no âmbito da fiscalização da nova lei do álcool.

A disponibilização, venda e consumo de qualquer tipo de bebida alcoólica a todos os menores de 18 anos passou a ser proibido, desde 1 de junho, segundo a nova lei do álcool, que veio acabar com a distinção entre as bebidas espirituosas, até agora permitidas a partir dos 18 anos, e as restantes (vinho e cerveja), que podiam ser consumidas a partir dos 16 anos.

Durante a 19.ª edição do Festival Sudoeste, cerca de 188 mil pessoas passaram pela Herdade da Casa Branca, no concelho de Odemira, divulgou a organização, no final da iniciativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.