As gémeas de Lisboa salvas por dois bombeiros da Maceira

Mariana e Beatriz, de 7 anos, assistiram à missa ao lado da avó Leonilde Barbosa um ano após terem escapado ao incêndio

Mariana e Beatriz assistiram à missa ao lado da avó, Leonilde Barbosa. Aos 7 anos, as gémeas já viveram um pesadelo de que não gostam muito de falar: há um ano, brincavam na casa da família, em Troviscais, quando o fogo cercou a aldeia. A mãe, Rita, ficara em Lisboa a trabalhar, enquanto as meninas seguiram para a terra da família, como é hábito nas férias e fins de semana.

"A minha mãe ligou-me a despedir-se. A pedir desculpa por não conseguir salvar as minhas filhas, que iam morrer todos", conta ao DN a mãe das gémeas. Ao telefone, Leonilde não parava. "Liguei para toda a gente. O 112 passou-me a uma senhora da proteção civil, que me ligava de volta e iam lá salvar as minhas netas. Até hoje. Nunca apareceram".

Depois ligou para a irmã, que se pusera a caminha de Pedrógão. "Andou às voltas por serras a arder, contou-me depois que encontrou centenas de ambulâncias pelo caminho, e carros de bombeiros, mas nenhuma conseguia chegar aos sítios mais afastados". Foi então que dois bombeiros da corporação de Maceira, no concelho de Leiria, se arriscaram: seguiram até Troviscais. "E salvaram as meninas. E a nós também", conta a avó, enquanto atravessa o Largo da Igreja matriz de Pedrógão Grande. Até hoje está convencida de que "foi um milagre", que atribui à visita que fez a Fátima, um mês antes, por ocasião da vinda do Papa Francisco, no centenário das Aparições.

A família está hoje reunida na casa de família, e de manhã quis participar na missa em memória das 66 pessoas que não tiveram a mesma sorte. Quando Marcelo passa para fazer selfies com os escuteiros, as mulheres da família Barbosa estão prontas para ir almoçar, retomando a normalidade da vida ao fim de semana. Depois hão de traçar o IC8 e rumar a Odivelas, onde moram.

Costa, a mulher e o convite não chegou

António Costa sai da missa quase sem ser abordado, e procura com o olhar a mulher, que já está no recinto a conversar com moradores. É nessa altura que responde à pergunta dos jornalistas: foi ou não convidado para a cerimónia na Associação das Vítimas? "Não, Não fui". A cerimónia é privada - anuncia a associação no programa oficial - e por agora não é possível confirmar a razão com Nádia Piazza, a presidente, pois que não esteve presente na missa. Ao que o DN apurou, de fora ficou também o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves.

Marcelo, Costa, Fernando Negrão e os demais autarcas da região do Pinhal Interior norte seguem para a aldeia do Nodeirinho, inaugurar um memorial, junto ao tanque onde há um ano se salvaram 12 pessoas, enquanto Pedrógão ardia.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.