As derradeiras propostas dos partidos da oposição para o OE2017

Governo deu a conhecer as linhas gerais do documento. PEV e PAN querem benefícios para quem usa transportes públicos

O Governo apresenta hoje à noite noite aos deputados do PS as linhas gerais do Orçamento do Estado (OE) para 2017, depois de ter dado a conhecer as mesmas aos demais partidos no dia de hoje.

As reuniões começaram às 11:00, com o PAN a discutir com o Governo a possibilidade de serem introduzidos benefícios nos passes de transportes públicos para quem abata um veículo de transporte individual e passe a utilizar transportes coletivos.

"Essa medida está a ser estudada com o Governo e será debatida em especialidade e visa beneficiar ao nível do passe de transporte os utentes que deixem de utilizar transporte individual e passem a utilizar transporte coletivo", vincou o deputado do PAN André Silva, em declarações no parlamento.

No mesmo sentido, o partido ecologista Os Verdes (PEV) propôs ao Governo que os passes sociais possam ser deduzidos em sede de IRS, tendo obtido, segundo a deputada Heloísa Apolónia, "um bom sinal" a esta iniciativa que introduz um benefício para quem "recorrentemente utiliza o transporte coletivo".

"Julgamos que é um incentivo à utilização do transporte coletivo", afirmou a deputada do PEV, adiantando que, caso esta iniciativa não esteja incluída na proposta do OE para 2017 que o Governo deverá entregar na Assembleia da República na sexta-feira, Os Verdes retomarão a proposta em sede de discussão na especialidade do documento.

O Partido Comunista Português (PCP) reiterou, após o encontro com o Governo, que continuará a bater-se pelas propostas que entende justas, como o aumento real de todas as pensões, mas não discutindo com "linhas vermelhas" ou numa lógica de "toma lá dá cá".

O Bloco de Esquerda, por seu lado, admite que há "matérias sensíveis que ainda não estão encerradas." O líder da bancada bloquista, Pedro Filipe Soares, identificou o aumento das pensões, mas também a sobretaxa do IRS. Disse ainda que o período de debate na especialidade será "relevante" para introduzir melhorias.

O CDS-PP disse que o Governo já confirmou uma revisão do cenário macroeconómico e um aumento de impostos indiretos em 2017, mas lamentou que o ministro das Finanças tenha sido muito vago.

"Há duas ideias que nos parecem chave: confirma-se que será um orçamento ainda assim de austeridade, não vai acabar a austeridade ao contrário do que BE, PCP, PEV e PS, que compõem esta maioria dizem, e haverá um aumento de impostos indiretos e isso, mais uma vez, faz com que se quebre aquilo que são as promessas eleitorais deste Governo", disse o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães.

O Orçamento para 2017 deverá ser entregue na Assembleia da República na sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.