As coisas muito importantes que ninguém ouviu na Batalha

Afinal, os incêndios passaram pelo congresso. Assim como os problemas dos portugueses no Reino Unido; e a falta de estradas no interior; e a reposição dos salários na função pública. Até houve críticas a António Costa. Alguém reparou?

"Eu quero ter direito a trabalhar em Sintra, mas quero ter os mesmos direitos se trabalhar em Montalegre", dizia na manhã de sábado no palco do 22.º Congresso do PS Fábio Pinto. Foi o quinto delegado a subir ao palanque da Batalha. Quando começou a falar, uma boa parte da sala esvaziou-se e acabou por não ouvir o que ele tinha para dizer.

Fábio é presidente da federação da Guarda da Juventude Socialista. Para a maioria dos congressistas, não passa de um ilustre desconhecido. Mas a sua história explica bem o que veio ao palco defender: "Eu tenho de ter direito a viver no interior. E isso não pode continuar a ser um ato de resistência." Ainda que viva na capital do distrito, cumpre todos os dias mais de 20 quilómetros em estradas de contracurvas para trabalhar como fisioterapeuta num dos concelhos mais despovoados do país - o Sabugal. O tom era desafiante. "Não bastam os planos que já estão traçados, a coesão territorial é um imperativo nacional e temos os incêndios do ano passado a prová-lo."

À sua volta, os militantes conversavam animadamente, tiravam selfies para a posteridade, desfiavam memórias de encontros passados. Foi uma das poucas vezes - senão a única - em que se ouviu a palavra incêndio no palanque da Batalha. Para as grandes figuras do partido que toda a gente viu na televisão, o fogo foi referência proibida ao longo do fim de semana.

Sentir o Governo "do nosso lado"

"Senhores delegados, por favor mantenham o silêncio para que se possam ouvir as intervenções." Carlos César, presidente da mesa, repetiu este apelo uma e outra vez ao longo do dia, mas a primeira vez que o fez foi quando falou Pedro Palma dos Santos.

Este militante, residente em Londres, apelava ao partido para que salvaguardasse os direitos dos portugueses que vivem no Reino Unido.

"Muitos de nós tiveram de sair de Portugal com estatuto de refugiados económicos. E, com o brexit, estamos cada vez mais preocupados. Precisamos de sentir que o governo do nosso país está ao nosso lado."

Horas mais tarde, Carlos Pereira bateria na tecla dos emigrantes. Tem o mesmo nome de uma figura relevante do partido na Madeira, mas chegou quase incógnito. Quando falou, metade da sala estava vazia - e quem ficou falava de tudo menos da sua aflição.

"Tive de sair do país, como muita gente, mas quero que o país me continue a deixar fazer parte dele." Repetiu uma e outra vez que havia portugueses de primeira e de segunda e a sua demanda era pelo voto eletrónico. "Não faz sentido continuarmos a fazer 500 ou seiscentos quilómetros para votarmos num consulado. Peço-lhe encarecidamente, senhor primeiro-ministro, que nos ajude a resolver este problema." Ao fundo, António Costa tirava uma fotografia com um grupo de militantes.

David entre Golias

A organização do congresso tinha intercalado as intervenções. Ao final de cada série de cinco discursava uma figura importante na estrutura partidária. No ecrã aparecia o nome de quem estava a falar e de quem o faria a seguir. Se a jusante viesse um nome desconhecido, o barulho aumentava de tom e lá voltava Carlos César: "Silêncio, por favor."

Celine Moreira Marques, presidente de uma junta de freguesia em Leiria, queria discutir o poder local, mas quem é que lhe dava ouvidos se daí a pouco ia falar Pedro Nuno Santos?

José Abraão, que quase gritava pela reposição dos salários na administração pública, entoou um "Viva o Partido Socialista" que ficou sem resposta. Três minutos depois falou Manuel Alegre e o mesmo mote levou uma plateia cheia a levantar-se e a erguer os punhos.

Filipe Pacheco falou da necessidade de baixar as propinas no ensino superior. Eugénia Margarida Almeida apelava a uma nova ética nas relações entre o litoral e o interior, Pedro do Carmo exigia a construção de uma nova via de acesso a Beja, Víctor Santos apelava a um combate sério ao envelhecimento populacional em Monchique.

António Costa acabaria por responder a algumas destas questões na moção que viu o Congresso aprovar por larga maioria. Outras ficaram sem resposta, e muitas, mesmo muitas, parecem nem sequer terem sido escutadas.

Tal como os políticos, a tribuna de imprensa tornava-se um mundo de comentários à parte e conversas paralelas quando a maioria dos discursantes falava. Houve um exemplo paradigmático, quando falou um delegado chamado António Silva Fernandes.

A intervenção apelava ao secretário-geral para que criasse regras mais claras para as organizações privadas. E era particularmente dura com Costa: "O partido está a alimentar organizações no partido que são financiadas por interesses privados."

Nesse momento, o primeiro-ministro abandonou a sala. Num congresso de consensos, ninguém reparou na contestação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.