"Os incidentes estão a crescer quer em frequência, quer em agressividade"

Paulo Neto Leite, CEO na Groundforce vai juntar-se aos sindicatos e pedir uma audiência ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, para pedir reforço policial

Como tem acompanhado os casos de agressões aos vossos funcionários?
Acompanho com preocupação dado que têm vindo a crescer. Estamos muito preocupados com o elevado nível de irregularidades que é um incentivador desta situação. Estamos a exigir a quem tem que garantir a segurança dos locais que o faça de forma eficaz. Se, por razões várias, a irregularidade tem vindo a aumentar, deve aumentar também a segurança a quem presta serviço nessas áreas. São pessoas que trabalham de forma extremamente profissional, com uma enorme dedicação e que têm que ter a garantia que estão a realizar o seu trabalho (mesmo em casos de irregularidades) de forma segura.

Sente que está a haver um crescendo nestes incidentes?
A nossa preocupação reside precisamente no fato de os incidentes estarem a crescer, quer em frequência quer em agressividade.

A que causas atribuem estas situações?
Os aeroportos estão a operar perto do seu limite e com um aumento da irregularidade, o que origina situações de insatisfação dos passageiros. Não assistimos ao aumento dos meios de segurança de forma proporcional. Adicionalmente, assistimos hoje em dia a um sentimento de impunidade para estes comportamentos bárbaros de alguns passageiros.

Como estão a sentir-se os funcionários, principalmente os que prestam serviço nos postos onde se têm registados mais agressões?
Como é natural, os trabalhadores estão a sentir-se incomodados e ameaçados. Ninguém pode deixar de ter como dado adquirido a sua segurança no local de trabalho. Hoje em dia assistimos a um sentimento de insegurança, agravado pela impunidade, uma vez que, não se tratando de crime público e as companhias aéreas permitirem - na sua maioria - que após o incidente o agressor viaje, dificilmente este ato terá consequências.

Esta tensão no aeroporto tem a ver também com o facto do aeroporto estar praticamente esgotado em termos de capacidade para gerir tantos passageiros?
Terá a ver com isso, mas também com o aumento da irregularidade (atrasos, overbooking e cancelamentos).

O que pensa a Groundforce fazer para proteger os funcionários?
A Groundforce está a fazer a pressão total junto dos intervenientes. Existem dois caminhos a seguir em paralelo.
Um que é mais longo e passa por equiparar as agressões aos funcionários aeroportuários a uma agressão a um agente com estatuto diferente (inspetores da ACT e da ASAE, por exemplo). Dessa forma passamos a qualificar a agressão de crime semipúblico (como é hoje em dia e a qual obriga à queixa por parte do trabalhador) para crime público (o que elimina esse passo). O outro caminho passa por, em conjunto com a ANA, a PSP e as companhias aéreas, definir esquemas de reforço de segurança para este verão, já que a primeira via é mais longa por obrigar a uma alteração legislativa.
Esta semana já fizemos reuniões com a ANA, PSP e ANAC, e no inicio da próxima semana juntaremos forças com os sindicatos no sentido de sensibilizar o poder politico para a necessidade de reforço de meios e de alterações legislativa que entendemos necessárias.

Como avalia a prestação da PSP no aeroporto?
A PSP tem trabalhado em estreita colaboração connosco neste e noutros temas de segurança. Temos trabalhado muito de perto de forma eficiente. No entanto, não sentimos que os meios à disposição desta área tenham aumento proporcionalmente ao aumento da atividade e do risco da operação

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.