Arquivada investigação ao incêndio no Andanças

Ministério Público não encontrou indícios de que o fogo que destruiu 458 viaturas tenha sido ateado de forma intencional ou deliberada

O Ministério Público decidiu arquivar a investigação ao incêndio no festival Andanças do verão passado, no qual mais de 450 viaturas ficaram destruídas ou danificadas.

"Não foi possível apurar quaisquer indícios que permitissem concluir que o fogo tivesse sido ateado de forma deliberada ou intencional. Também não foi possível recolher indícios que permitissem apurar as circunstâncias concretas em que o mesmo ocorreu nem a eventual responsabilidade negligente de alguém", diz um comunicado da procuradoria da comarca de Portalegre.

A investigação também não permitiu apurar, segundo a mesma nota, "as circunstâncias concretas em que o mesmo ocorreu nem a eventual responsabilidade negligente de alguém".

O Ministério Pública indica que o incêndio teve início no parque de estacionamento e na proximidade de três viaturas que ali se encontravam, "excluindo-se que o mesmo se tivesse ficado a dever a qualquer causa eléctrica e/ou mecânica desses veículos".

Refere ainda que o Andanças, que acontece em Castelo de Vide, estava devidamente autorizado e tinha um plano de segurança que contemplava o risco de incêndios e que a preparação do terreno que serviu de parque de estacionamento foi feita da forma habitual, "não existindo regulamentação específica para este tipo de situações ou eventos".

De acordo com o Ministério Público arderam "1,8389 hectares de mato" e registaram-se estragos em 458 veículos. O incêndio registou-se a três de agosto.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.