Arquiteto e antigo presidente do CCB Antero Ferreira morreu aos 84 anos

Carlos Antero Ferreira, professor da Faculdade de Arquitetura de Lisboa, foi arquiteto, historiador, ensaísta e poeta

O arquiteto e antigo presidente do CCB Carlos Antero Ferreira morreu hoje, aos 84 anos, num hospital em Lisboa, vítima de doença prolongada, informou a família.

Carlos Antero Ferreira, professor da Faculdade de Arquitetura de Lisboa, foi arquiteto, historiador, ensaísta e poeta.

Nascido em Lisboa a 24 de fevereiro de 1932, foi presidente do Centro Cultural de Belém (CCB) entre 1993 e 1996. Foi ainda presidente do conselho de administração e do conselho diretivo da Fundação das Descobertas.

Antero Ferreira foi também presidente do Instituto Português do Património Cultural, mais tarde Instituto Português do Património Arquitetónico e Arqueológico, entre 1990 e 1993.

A nível universitário, foi responsável pela transformação do Departamento de Arquitetura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa em Faculdade de Arquitetura integrada na Universidade Técnico de Lisboa, segundo informações prestadas pela família à agência Lusa.

Recebeu vários galardões e distinções e durante a vida académica escreveu mais de 200 títulos, entre livros, ensaios e outros textos.

O velório de Antero Ferreira realiza-se no domingo pelas 14:00 na Igreja de Santo António do Estoril. Na segunda-feira pelas 8:30 haverá uma missa de corpo presente, seguindo depois o funeral para Alcabideche, onde o corpo será cremado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...