Marcelo espera que condições da Fundação Champalimaud cheguem ao SNS

Presidente da República inaugurou centro cirúrgico

O Presidente da República inaugurou hoje um centro cirúrgico e de internamento da Fundação Champalimaud, com o ministro da Saúde, e afirmou esperar que no futuro aquelas condições cheguem ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em declarações aos jornalistas, no final da inauguração, com o ministro Adalberto Campos Fernandes ao seu lado, Marcelo Rebelo de Sousa considerou "muito impressionante este passo dado pela Fundação Champalimaud", a quem deu os parabéns.

"Isto é realmente de ponta, mas, como dizia o senhor ministro, o ideal no futuro - até porque muito do que vimos aqui está patenteado, é da própria fundação, portanto, é fácil reproduzir - é que pouco a pouco no futuro estas condições cheguem ao SNS", acrescentou.

Segundo o chefe de Estado, "naturalmente que é um processo lento, porque aqui está a experimentar-se em termos de ponta, mas o grande objetivo é, naturalmente, que todos os portugueses tenham acesso aos melhores cuidados de saúde".

O centro cirúrgico e de internamento hoje inaugurado é composto por quatro salas cirúrgicas, onze camas de cuidados intensivos e recobro e 26 camas de internamento, e está equipado com tecnologia de cirurgia robótica e de visão 3D.

Interrogado sobre as reivindicações das ordens profissionais do setor da saúde, que iria receber em seguida, em Belém, o Presidente da República respondeu: "Não vou pronunciar-me sobre matéria relativamente à qual eu vou ouvir os próprios depois".

"Acho que faz sentido começar por ouvir, e depois formular o meu juízo", reforçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.