Marcelo espera que condições da Fundação Champalimaud cheguem ao SNS

Presidente da República inaugurou centro cirúrgico

O Presidente da República inaugurou hoje um centro cirúrgico e de internamento da Fundação Champalimaud, com o ministro da Saúde, e afirmou esperar que no futuro aquelas condições cheguem ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em declarações aos jornalistas, no final da inauguração, com o ministro Adalberto Campos Fernandes ao seu lado, Marcelo Rebelo de Sousa considerou "muito impressionante este passo dado pela Fundação Champalimaud", a quem deu os parabéns.

"Isto é realmente de ponta, mas, como dizia o senhor ministro, o ideal no futuro - até porque muito do que vimos aqui está patenteado, é da própria fundação, portanto, é fácil reproduzir - é que pouco a pouco no futuro estas condições cheguem ao SNS", acrescentou.

Segundo o chefe de Estado, "naturalmente que é um processo lento, porque aqui está a experimentar-se em termos de ponta, mas o grande objetivo é, naturalmente, que todos os portugueses tenham acesso aos melhores cuidados de saúde".

O centro cirúrgico e de internamento hoje inaugurado é composto por quatro salas cirúrgicas, onze camas de cuidados intensivos e recobro e 26 camas de internamento, e está equipado com tecnologia de cirurgia robótica e de visão 3D.

Interrogado sobre as reivindicações das ordens profissionais do setor da saúde, que iria receber em seguida, em Belém, o Presidente da República respondeu: "Não vou pronunciar-me sobre matéria relativamente à qual eu vou ouvir os próprios depois".

"Acho que faz sentido começar por ouvir, e depois formular o meu juízo", reforçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.