Apreendidas roupas contrafeitas no valor de 5000 euros em Alcobaça

432 artigos foram apreendidos numa operação que identificou três homens como suspeitos do crime de contrafação

A GNR apreendeu 432 artigos de roupa contrafeita, no valor de cinco mil euros, e identificou três homens suspeitos do crime de contrafação em Alcobaça, no distrito de Leiria, anunciou segunda-feira aquela força de segurança.

Numa ação de fiscalização de policiamento às festas de Coz, os militares apreenderam roupa contrafeita no valor de cinco mil euros, como t-shirts, camisolas, calças e fatos de treino que estavam expostos à venda, disse à agência Lusa fonte da GNR.

A mesma fonte explicou que as peças tinham estampado o nome de diversas marcas, mas pela qualidade da roupa e pela falta de etiquetas a GNR suspeita serem contrafeitas.

Os comerciantes tinham exposta apenas uma parte da mercadoria apreendida e, quando o cliente se interessava pelos artigos, iam à viatura de apoio buscar mais peças para as mostrar.

Na operação, foram identificados e constituídos arguidos três homens, entre os 48 e os 63 anos, um dos quais com antecedentes criminais da mesma natureza.

A GNR apreendeu ainda uma viatura por falta de seguro.

O caso vai continuar a ser investigado pela GNR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".