Apoio a agricultores até 85% a fundo perdido

O ministro da Agricultura garante apoio à replantação das vinhas destruídas pelo mau tempo dos últimos dias

Capoulas Santos anunciou esta terça-feira que o Governo vai apoiar a replantação das vinhas e reconstrução dos muros de suporte destruídos pelo mau tempo, com financiamento a fundo perdido até aos 85%.

Numa visita a Santa Marta de Penaguião, na sequência dos estragos causados pela chuva intensa da última semana, Capoulas Santos dirigiu-se aos vinicultores com palavras de solidariedade mas também com a certeza de que terá instrumentos financeiros para dar resposta aos prejuízos.

O ministro da Agricultura garantiu o financiamento público até 85% do total para apoiar a replantação das vinhas destruídas, socalcos, caminhos e estradas na região do Douro, que assegurou serem "a destruição mais onerosa".

O levantamento dos estragos deve estar concluído dentro de um mês, para que seja possível abrir as candidaturas aos fundos comunitários e às quais vai ser dada "máxima prioridade na aprovação", adiantou.

Todavia, muitos dos estragos provocados pela chuva ocorreram porque "não foram respeitadas as linhas de água" e alguns projetos foram "mal elaborados, mal executados e mal fiscalizados", garantiu o presidente da Câmara de Santa Marta de Penaguião, Luís Machado.

Questionado sobre esta situação, o ministro da Agricultura afirmou ser "necessário corrigir os erros para evitar situações futuras", mesmo reiterando que a causa principal dos prejuízos "foi a anormal pluviosidade em poucas horas".

No entanto, Capoulas Santos assegurou que "deve ser feita uma avaliação rigorosa para que, do ponto de vista da prevenção, todas as obras que venham a ser efetuadas o sejam de forma que se possa garantir a máxima prevenção possível para ocorrências futuras", mas espera que o mais rápido possível se consiga "dar uma resposta para o rápido restabelecimento deste potencial produtivo e garantir às pessoas a continuidade dos seus rendimentos."

No terreno encontram-se agora técnicos a fazer o levantamento de danos, mas o ministro pediu também o auxilio dos municípios e de organizações de agricultores para acelerar o processo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.