Aplicação móvel de Cascais vence prémio mundial

City Points permite que os munícipes de Cascais que deem sangue, reciclem, façam voluntariado ou adotem um cão abandonado ganhem pontos que podem ser trocados por serviços municipais

A autarquia de Cascais recebeu hoje em Viena (Áustria) o prémio mundial de inovação digital com impacto na sociedade pela aplicação móvel City Points, que permite recompensar a cidadania responsável.

Com esta aplicação, os munícipes que, por exemplo, deem sangue, reciclem, façam voluntariado ou adotem um cão abandonado ganham pontos que podem ser trocados por serviços municipais tais como visitas a museus, horas de estacionamento, entradas em concertos ou aulas de natação nas piscinas municipais.

Segundo uma nota de imprensa da autarquia, a recuperação do engajamento cívico e da reinvenção democrática por via da discriminação positiva mereceu o aplauso generalizado da ONU.

O prémio foi hoje entregue em Viena, na cerimónia dos World Summitt Awards (WSA), braço da ONU para as questões da sociedade de informação, ao vice-presidente de Cascais, Miguel Pinto Luz.

Pela primeira vez na história do WSA, é uma autarquia a receber o mais alto galardão da organização.

Para o autarca, o que a aplicação de Cascais propõe é, muito simplesmente, dar um passo "pequeno, mas na direção certa" de recuperação da confiança dos cidadãos nos seus pares e nos seus servidores públicos.

"Esta mão visível opera de forma a que ações que visem o bem do coletivo tenham uma retribuição positiva ao nível individual", sustenta Pinto Luz.

O City Points, adianta a autarquia na mesma nota, permite a construção de uma sociedade mais justa, de uma democracia mais participada e exige que o poder político recompense a cidadania responsável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.