Apenas "erros" eliminados das listas de espera e com conhecimento da tutela

A eliminação de utentes das listas de espera para consultas hospitalares foi o tema que dominou a audição parlamentar da presidente da Administração Central do Sistema de Saúde

A presidente da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), Marta Temido, garantiu hoje que apenas foram eliminados das listas de espera "erros" informáticos e que a tutela tinha conhecimento deste trabalho de expurgo.

Marta Temido falava aos jornalistas no final de uma audição na Comissão Parlamentar da Saúde sobre o relatório do Tribunal de Contas (TdC) relativo ao acesso a cuidados de saúde no Serviço Nacional de Saúde (SNS), o qual concluiu que, no triénio 2014-2016, ocorreu "uma degradação do acesso dos utentes a consultas de especialidade hospitalar e à cirurgia programada".

Sobre a eliminação de utentes das listas de espera para consultas hospitalares, o tema que dominou a audição parlamentar, Marta Temido afirmou que se tratou de "erros", e não de pedidos de consultas, e que estes "erros" se deveram a dificuldades informáticas causadas por vários sistemas.

"Erros é uma coisa, eliminação com intenção de melhorar resultados é outra", disse, assumindo que o impulso da medida foi da ACSS, mas que a medida envolveu os hospitais e os centros de saúde, além de outros organismos do setor, e teve conhecimento das "várias tutelas, que estiveram sempre a par do que se estava a fazer".

Após a audição de Marta Temido, será ouvido o presidente do TdC sobre o mesmo relatório, estando ainda agendada uma audição ao ministro da Saúde, pela mesma razão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.