ANTRAL demarca-se de "ameaças e violência" em protesto de segunda-feira

A posição da ANTRAL surge depois de os representantes do setor do táxi terem acusado a PSP de querer "partir a manifestação" de segunda-feira ao impor condições relativamente aos taxistas oriundos do norte e do sul do país

A Associação Nacional dos Transportadores em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) demarcou-se esta sexta-feira de eventuais "situações de ameaças e violência" na manifestação de segunda-feira, em Lisboa, contra as plataformas eletrónicas de mobilidade.

"A ANTRAL rejeita todo o tipo de violência e apela para que a manifestação do dia 10 de outubro seja pacífica, ordeira [e] que sirva para mostrar os nossos pontos de vista contra a ilegalidade", afirmou, em comunicado, o presidente da associação, Florêncio de Almeida.

O responsável acrescentou ainda que a associação se demarca e condena "todas as notícias que envolvam situações de ameaças e violência" durante a ação de protesto.

A posição da ANTRAL surge após os representantes do setor do táxi terem acusado a PSP de querer "partir a manifestação" de segunda-feira, em Lisboa, ao impor condições relativamente aos taxistas oriundos do norte e do sul do país.

"A PSP está a levantar problemas que não fazem sentido. Nós discordamos e mantemos o mesmo itinerário. Declinamos qualquer responsabilidade do que venha a acontecer", afirmou o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, após uma reunião com a PSP no Comando Metropolitano de Lisboa, em Moscavide (Loures).

Segundo Florêncio de Almeida, que falou também após o encontro, os taxistas pretendem que os carros provenientes do norte se dirijam à Rotunda do Relógio, em Lisboa, para depois se juntarem no Parque das Nações, mas a polícia "quer desviá-los em Santa Iria da Azóia [no vizinho concelho de Loures] para o IC [Itinerário Complementar] 2".

Em relação às viaturas oriundas do sul, acrescentou, as associações definiram uma saída conjunta, com batedores, mas a PSP quer antes que se desloquem em "pequenos grupos de 10 ou 15 viaturas".

Segundo o comissário Sérgio Soares, do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, as alterações propostas aos taxistas pretendem apenas facilitar a chegada de viaturas ao local do protesto, que parte do Parque das Nações, em Lisboa, e termina em frente à Assembleia da República.

Em relação às viaturas com origem do sul do país, o responsável da PSP acrescentou que os condicionamentos são justificados com questões de segurança na Ponte 25 de Abril.

Os taxistas aceitaram a indicação policial de, na Baixa de Lisboa, vindos da Rua do Ouro, não passarem na Rua do Arsenal, atualmente em obras, e irem ao Campo das Cebolas para se dirigirem ao Cais do Sodré, rumo à Assembleia da República, em S. Bento."

"Nós queremos a evolução do setor. Agora o que nós queremos são regras e lealdade no setor. Paz social nos transportes ocasionais de passageiros nunca irá existir se o Governo for com este projeto para a frente", alertou Florêncio Almeida, referindo-se à proposta governamental de regulamentação que está em cima da mesa.

O presidente da ANTRAL ressalvou ainda que "os taxistas não estão contra as plataformas 'online' de transportes de passageiros, mas exigem "regras iguais para todos".

O protesto nacional inicia-se às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações, seguindo depois, pelas 08:30, com as viaturas em desfile até à Assembleia da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.