António Mexia: Mobilidade elétrica é irreversível

"A mobilidade elétrica é uma tendência irreversível e está a acontecer a uma velocidade que muitos não esperavam", disse o presidente da EDP, António Mexia, no arranque da Lisbon Mobi Summit.

O gestor comparou a surpreendente rapidez desta nova vaga com o que aconteceu há cerca de 12 anos com as energias renováveis. "Pensava-se que era algo marginal e hoje é central", disse, revelando que a EDP é hoje o quarto maior produtor no mundo em energias renováveis. Uma posição em linha com o compromisso europeu de redução de 85% das emissões até 2050.

Considerando que a mobilidade elétrica vai conduzir a grandes alterações na sociedade e na economia, criando oportunidades de negócio, António Mexia abordou também a necessidade de alterações na legislação e fiscalidade. Lembrando que a área da mobilidade vai atrair investimentos de muitos milhões de euros, o presidente da EDP deixou um recado ao governo: "Só haverá investimento se se perceber o enquadramento e houver estabilidade de regras".

Veja o vídeo com a intervenção na íntegra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.