Costa destaca evolução do tipo de investimento alemão em Portugal

António Costa referiu que nos últimos anos, Portugal tem assistido "a uma transferência importante do tipo de investimento que as empresas alemãs têm vindo a fazer" no país

O primeiro-Ministro, António Costa, sublinhou hoje, em Braga, a mudança do tipo de investimento alemão em Portugal registada nos últimos anos, com uma crescente aposta na tecnologia e no conhecimento.

Falando na inauguração do Centro de Tecnologia e Desenvolvimento da Bosch, que contou com presença da chanceler alemã, Angela Merkel, António Costa destacou ainda que a Alemanha é "desde há muitos anos o primeiro investidor produtivo em Portugal".

"Nos últimos anos, temos assistido a uma transferência importante do tipo de investimento que as empresas alemãs têm vindo a fazer em Portugal", referiu o primeiro-ministro.

Como exemplo, apontou o Centro de Tecnologia e Desenvolvimento da Bosch, hoje inaugurado em Braga.

"Aqui onde estamos, há 20 anos, a Blaupunkt produzia rádios. Hoje deixámos de produzir rádios e passámos a produzir conhecimento", disse.

Se queremos ser competitivos no futuro, é com base na inovação e no conhecimento

Costa destacou ainda o facto de a Bosch ser parceira em dois "projetos fundamentais" (Laboratórios Colaborativos e Clube dos Fornecedores) no âmbito do Programa Interface, que classificou como "o mais importante do Programa Nacional de Reformas".

Um programa que visa transferir conhecimento e tecnologia das universidades, politécnicos e centros de saber para o tecido económico.

"Se queremos ser competitivos no futuro, é com base na inovação e no conhecimento", enfatizou António Costa.

O espírito europeu não é só juntar países à volta de uma mesa do Conselho para tomarmos decisões. É muito mais que isso. É a capacidade de juntarmos os recursos, o saber, capacidade de fazermos em conjunto

Disse ainda que a Bosch é um "excelente exemplo" daquilo que é o espírito europeu.

"O espírito europeu não é só juntar países à volta de uma mesa do Conselho para tomarmos decisões. É muito mais que isso. É a capacidade de juntarmos os recursos, o saber, capacidade de fazermos em conjunto", referiu.

Só dessa forma, rematou, é que será possível "construir uma Europa que possa defender o seu modelo social, o seu standard de vida, os seus standards ambientais e o seu modo de viver neste mundo globalizado que é tão desafiante para a Europa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.