Costa defende setor agrícola capaz de responder às alterações climáticas

O Programa Nacional de Regadios prevê instalar em todo país, até 2022, cerca de 95 mil hectares de regadios, dos quais 54 serão novos

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o investimento no setor agrícola, nomeadamente na modernização e criação de regadios, "é estratégico para o país" e permitirá responder "ao desafio imposto pelas alterações climáticas".

"É um grande projeto estratégico para o país. São 500 milhões de investimento que vão permitir aumentar em mais 50 mil hectares as áreas de regadio e modernizar mais 40 mil. Isto melhora a produtividade da nossa agricultura, mas também aumenta a capacidade de reserva e permite uma gestão mais eficiente da água", sublinhou o governante.

António Costa, que falava ao final da manhã aos jornalistas durante a apresentação do projeto de modernização do aproveitamento hidroagrícola da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira, defendeu que o país "tem de estar preparado para prevenir os efeitos das alterações climáticas.

"Temos de continuar a investir, mas também tendo em conta que temos o desafio das alterações climáticas e, portanto, mais vale prevenir agora do que remediar depois", atestou.

O Programa Nacional de Regadios prevê instalar em todo país, até 2022, cerca de 95 mil hectares de regadios, dos quais 54 serão novos e os restantes correspondentes a modernizações, estando alocado um investimento público de cerca de 534 milhões de euros.

Segundo referiu esta manhã o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, foram sinalizados 54 projetos, dos quais 22 já viram a sua candidatura aprovada.

Até ao momento foram aprovados cinco projetos na zona do Algarve e Sudoeste Alentejano, sete no Alentejo, sete no Litoral Norte e Centro e três no Interior Norte e Centro.

No caso do projeto da Lezíria Grande de Vila Franca de Xira serão beneficiados cerca de 6.500 hectares, num investimento de 30 milhões de euros.

Segundo dados apresentados, no local operam cerca de 400 empresas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.