Antiga gare do Arco do Cego vai ser convertida em centro académico

O espaço foi cedido pela Câmara de Lisboa ao Instituto Superior Técnico em 2011.

A antiga gare do Arco do Cego, em Lisboa, vai ser transformada num centro académico do Instituto Superior Técnico (IST) até 2017, integrando também um posto de socorro avançado do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) da cidade.

O espaço, onde funcionou uma estação rodoviária e de elétricos da Carris, foi cedido pela Câmara de Lisboa ao IST em 2011.

O objetivo é que seja transformado num "espaço multifuncional, principalmente dedicado aos alunos e à interação entre os alunos e as empresas, aberto a toda a academia de Lisboa", salientou o presidente do IST, Arlindo Oliveira, após a apresentação do Técnico Learning Center.

De acordo com este responsável, o lançamento para o concurso das obras -- que ascendem aos cinco milhões de euros -- será feito no segundo semestre deste ano, pelo que o instituto tenciona começar a obra no início de 2016. Os trabalhos deverão a duração de um ano.

"A ideia é também instalar a Startup Lisboa em instalações adjacentes, e, portanto, é um espaço onde pensamos que vai haver muita interação entre os alunos e as empresas e a sociedade em geral", adiantou Arlindo Oliveira.

Na ocasião, o presidente cessante da Câmara de Lisboa, António Costa, disse que o projeto se desenvolve "no sentido de criar melhores condições para o desenvolvimento da atividade do IST, mas também como uma âncora importante para o processo de regeneração urbana que se tem vindo a desenvolver no conjunto das Avenidas Novas", abrangendo as avenidas Duque de Ávila e Rovisco Pais (onde está localizado o instituto) e a Alameda D. Afonso Henriques.

No mesmo edifício do centro estará um posto de socorro avançado do RSB (o primeiro a ser criado na cidade, na sequência da reestruturação do regimento), que funcionará de forma independente.

"É também uma oportunidade para o município poder instalar em boas condições a companhia do RSB que há muitas décadas está em deficientes condições instalada na [Avenida] Defensores de Chaves e que encontrará aqui melhores condições", vincou António Costa.

De acordo com o estudo prévio de arquitetura, disponível na página da internet do IST, este centro académico, com mais de três mil metros quadrados, será constituído por um "espaço social de encontro", com cafetaria, 'lounge' e espaço comercial, e também por uma "grande área polivalente" destinada a exposições, mostras, conferências e seminários.

Haverá ainda um espaço que oferecerá aos estudantes "um lugar de aprendizagem/estudo, complementar aos espaços convencionais de sala de aula" e uma área com "serviços na área das tecnologias de informação", como computadores com serviço de impressões e fotocópias.

Na apresentação do projeto, António Costa sublinhou que foi "com um particular gosto" que esta foi a sua última intervenção como presidente da Câmara de Lisboa. O autarca será substituído, ao final da tarde, pelo vice-presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Costa disse que deixa o cargo "certo de que a orientação estratégica e as políticas do município serão prosseguidas pela vereação, porque são, felizmente, estratégias partilhadas e foram aprovadas pela ampla maioria no contexto municipal", sustentou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.