Antiga escola reconstruída e ampliada para lar de idosos

O edifício da antiga escola primária da aldeia de Benespera, na Guarda, vai ser reconstruído e ampliado para servir de lar de idosos do Centro Paroquial de Cultura e Assistência local, foi hoje anunciado.

Segundo José António Loureiro Pinheiro, presidente da direção do Centro Paroquial de Cultura e Assistência da Freguesia da Benespera, a obra iniciada este mês custa mais de 441 mil euros e deverá ficar concluída em setembro de 2014.

O dirigente disse hoje à agência Lusa que o projeto, com capacidade para 29 utentes, "é inovador em termos de apoio a idosos com demências e grandes acamados".

"É inovador, porque dirige-se a um público-alvo específico de doentes com várias demências, nomeadamente Alzheimer, porque no atual lar acolhemos doentes com muitas demências e grandes acamados e temos tido muita procura", explicou Ana Teresa Bárbara, diretora técnica do Centro Paroquial de Cultura e Assistência de Benespera.

A responsável disse que a obra é necessária por aumentar o número de vagas, pois a instituição tem atualmente 17 idosos e "uma lista de espera com mais de 100 utentes".

"Os familiares dizem que nos procuram, porque em outros lares os [idosos] doentes com demências veem a sua entrada barrada, ou então pedem mensalidades muito altas" que não podem suportar, justificou a diretora técnica.

O projeto de construção do novo edifício demorou "nove anos a ser concretizado", lembrou o presidente José António Loureiro Pinheiro, que não esconde a satisfação pelo início das obras.

O equipamento é apoiado em 200 mil euros pelo Programa de Desenvolvimento Rural (Proder) e a restante verba é obtida com recurso à banca.

"Para o empréstimo teve que haver garantias bancárias e os elementos da direção, a própria diretora técnica e uma funcionária avançaram com a verba necessária, para além de outras paróquias vizinhas. Sem isso, não conseguíamos iniciar a obra", lembrou o dirigente.

Após ter encerrado por falta de crianças, a antiga escola primária de Benespera foi cedida pela Câmara Municipal da Guarda, em 2007, ao Centro Paroquial de Cultura e Assistência local para acolher o novo lar de idosos que substituirá o atual equipamento que funciona, desde 1998, na antiga casa paroquial.

No novo edifício passarão a funcionar as atuais valências de lar (com 17 idosos), de centro de dia (seis) e de apoio domiciliário (18), que se encontram em locais separados.

O projeto de arquitetura do novo edifício, que vai ficar com 15 quartos e capacidade para 29 idosos, foi elaborado gratuitamente pela Câmara Municipal da Guarda, segundo a direção.

O Centro Paroquial de Cultura e Assistência da Freguesia da Benespera apoia idosos da aldeia e de várias localidades dos concelhos de Guarda, Covilhã e Belmonte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.