Marcelo envia "grande abraço" a professores, sem comentar "problemas"

O Presidente da República enviou hoje "um grande, grande abraço" a todos os professores do país, considerando que "são fundamentais para Portugal", mas escusou-se a comentar "problemas" relacionados com a abertura do ano letivo.

"Meninas e meninos, não sei se sabem, mas eu sou professor. E eu queria daqui dar hoje um grande abraço aos professores desta escola e aos professores de todo o Portugal, um grande, grande abraço", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, durante uma visita à Associação Escola 31 de Janeiro, na Parede, no concelho de Cascais.

Perante uma salva de palmas, o chefe de Estado acrescentou: "Não há ensino se não houver professores, não há educação se não houver também professores. Os professores são fundamentais para Portugal. Pode haver, de vez em quando, no começo de cada ano, problemas com os professores, e eles ficarem preocupados com isso. Mas uma coisa é certa: nós, portugueses, estamos gratos em relação aos nossos professores".

No final, questionado pela comunicação social sobre a contestação relacionada com a colocação de professores, Marcelo Rebelo de Sousa não quis, contudo, fazer comentários: "Não me vou pronunciar sobre isso. É uma questão que está a ser encarada pelo Governo. Vamos esperar".

O Presidente da República escusou-se igualmente a comentar as greves dos enfermeiros e dos juízes. "Sobretudo neste período pré-eleitoral - estamos a pouco mais de 15 dias das eleições [autárquicas] -, não vou fazer comentários sobre situações socioprofissionais", declarou.

Interrogado sobre as declarações do ministro da Defesa sobre o caso de Tancos, também não quis fazer comentários, limitando-se a reiterar que espera "que haja, o mais cedo possível, com a celeridade possível, porque o tempo é importante para o prestígio da instituição e para o próprio funcionamento dos mecanismos internos, o apuramento de factos e de responsabilidades nessa matéria".

Perante a insistência dos jornalistas para que comentasse a greve dos enfermeiros, retorquiu: "Eu não costumo comentar problemas específicos de natureza socioprofissional, sobretudo quando estão a durar ainda em termos de conflito. E, por isso, não vou abrir uma exceção neste momento".

Marcelo Rebelo de Sousa recordou, no entanto, que vai receber "os profissionais do domínio da Saúde", começando hoje com a Ordem dos Médicos. "Em tempo oportuno receberei as outras ordens", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.