Ano letivo arranca com mais 3263 professores nos quadros

Ministério da Educação divulgou as listas definitivas dos concursos nacionais. Vinculação extraordinária com menos 199 entradas do que o previsto.

O próximo ano letivo irá arrancar com mais 3263 professores vinculados aos quadros, confirmou o Ministério da Educação em comunicado.

No total, diz o Ministério, entre 11820 candidatos aos dois concursos externos, 443 entraram nos quadros graças à chamada norma-travão (cinco contratos anuais, sucessivos e completos) e 2820 através da vinculação extraordinária.

Nos casos (199) em que os professores participaram nos dois concursos, as colocações foram feitas através da norma-travão. Tendo em conta declarações recentes de responsáveis do Ministério e dos sindicatos, seria de prever que essas colocações permitissem libertar os lugares correspondentes da vinculação extraordinária para outros docentes. No entanto, o número anunciado de vinculações extraordinárias (2820) representa precisamente menos 199 lugares do que os 3019 previstos no despacho que fixou as vagas para esse regime de acesso.

Porém, questionado pelo DN, o Ministério rejeita a existência de qualquer corte de vagas. "Obviamente que a mesma colocação não pode dar azo a vinculação de duas pessoas", defende. "Daí a Secretária de Estado Adjunta e da Educação [Alexandra Leitão] ter sempre falado em grau de sobreposição [entre os dois concursos] mas que vinculariam sempre mais de 3000 pessoas, o que de facto aconteceu".

Recorde-se que estão ainda em análise algumas centenas de reclamações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.