Ângela e a família vão regressar a Beja para serem felizes

O casal, com três filhos pequenos, vai pela terceira vez mudar-se para Beja porque se sente desterrado em Lisboa e quer que as crianças tenham o sentimento de pertencer a um lugar. E virá todos os dias trabalhar para a capital

Ângela Malveiro é daquelas pessoas que estão sempre a sorrir. E quando fala em voltar a viver em Beja o sorriso ainda se rasga mais. "É lá que sou feliz! E sei que os meus três filhos também serão mais felizes lá."

Nasceu em Beja mas veio para Lisboa em 1996 porque a vida profissional do pai, que chegou a ser governador civil do distrito nos tempos de Cavaco Silva, assim o ditou. Mas os corações de Ângela (34 anos) e do marido Gonçalo (39), também ele bejense, bateram sempre por Beja.

O regresso à terra já tem data marcada e está próximo: 31 de julho. Ângela queria que fosse já amanhã. Porque acredita que Mafalda (7 anos), Maria (4) e Manuel (2) terão mais qualidade de vida.

Na verdade esta é a terceira tentativa que o casal - ela diretora de uma creche em Telheiras, ele nutricionista e professor universitário em Coimbra - faz para viver na cidade alentejana. A primeira foi quando nasceu a filha mais velha, Mafalda. Nessa altura ambos trabalhavam na vizinha Évora, capital de distrito com a qual Beja "tem grande rivalidade, como Lisboa e Porto". Ângela recorda que quando trabalhava num banco, os eborenses notavam a diferença do sotaque (sim, ela própria garante que são diferentes) e perguntavam-lhe de onde era. "Quando dizia que era de Beja, chegaram a responder-me "ah é alentejana de segunda". Ficava roída, mas não podia dizer nada... Sempre fomos preteridos em relação a Évora."

Por razões profissionais, o casal regressou sempre a Lisboa. Mas não gosta de cá viver. "Aqui ninguém pertence a Lisboa, ninguém é de Lisboa, somos todos desterrados. Gostava que os meus filhos tivessem o sentimento de pertencer a algum sítio."

Ângela sabe que viver em Beja e trabalhar diariamente em Lisboa - o marido vai quatro vezes por semana a Coimbra - terá custos grandes. Mas pensa que não levará muito mais tempo do que atualmente gasta entre a Parede onde reside e Telheiras onde trabalha - "Deixo os meus filhos na escola às 8.00 para estar no trabalho às 10:00. De Beja até cá também devo demorar duas horas." O que não será fácil dada a falta de ligação direta por comboio a Lisboa e ao facto de também não haver autoestrada...

Sacrifício que está completamente convencida que valerá a pena. "Somos aficionados pela família e pelos nossos filhos e eles merecem viver onde têm boas escolas, onde possam andar na rua, onde sejam felizes... Aqui andamos sempre stressados e isso reflete-se nos miúdos. E lá, se me atrasar, há sempre alguém que fica com eles."

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.