Anadia. Veterano regressa para defrontar antiga braço direito

Aos 76 anos, Litério Marques candidata-se à Anadia contra um movimento independente que ele próprio criou em 2013

Teresa Belém Cardoso ficará para sempre na história do município de Anadia como a primeira mulher a liderar o executivo da Câmara Municipal e à frente de um movimento independente. E é precisamente o fundador do MIAP (Movimento Independente Anadia Primeiro) que vai defrontar nas pró- ximas eleições autárquicas. Feitas as pazes com o PSD, Litério Marques, de 76 anos, decidiu candidatar-se pelos sociais-democratas a mais quatro anos de gestão, depois de em 2013 ter atingido o limite de mandatos.

Durante largos anos, a engenheira Teresa - como é conhecida - foi o braço direito de Litério Marques. Foi técnica, vereadora, vice--presidente da autarquia. E em 2013 apresentou-se como cabeça--de-lista do MIAP, fundado por Litério Marques. "Não havia ligação entre a estrutura local do PSD e o seu candidato. É uma situação aborrecida. E, além disso, havia a limitação de mandatos", diz o candidato social-democrata, justificando, assim, a criação do movimento.

Num concelho historicamente PSD, o eleitorado votou no MIAP, que venceu as eleições, embora sem maioria absoluta. Com 41,42% dos votos, foi feita uma aliança com o vereador eleito pelo PS, que entretanto manifestou que iria apoiar Teresa Cardoso no próximo combate eleitoral. Litério Marques, que durante 16 anos tinha sido presidente da autarquia, ficou como vereador até ao início deste ano, quando Teresa Cardoso lhe retirou os pelouros.

Em declarações recentes ao DN, a atual presidente, que desta vez não se mostrou disponível para falar, assumiu que há quatro anos não lhe "passaria pela cabeça esta reviravolta". "Acompanhei o professor Litério durante mais de 16 anos nas suas funções (desde presidente da junta à câmara). As pessoas que não aceitaram a nossa candidatura pelo movimento independente são hoje as mesmas que continuam à frente do partido e que propuseram a nossa expulsão. Jamais me passaria pela cabeça que ele aceitaria um convite por um partido que nos expulsou", afirmou.

Nos últimos meses, o candidato pelo PSD denunciou alegadas "irregularidades" que diz terem sido cometidas pelas pessoas que com- põem a câmara. "A melhor forma de defender o meu concelho deste tipo de pessoas é candidatar-me. Quero tentar acabar com coisas que são gravíssimas e com as quais não podia compactuar", avança ao DN. Ao candidatar-se, Litério Marques quer "pôr a nu situações que envergonham qualquer concelho".

Diz não ter "nada contra a atual presidente". "Acho é que ela não foi capaz de dominar aquelas pessoas ávidas do poder, pô-las nos eixos. Sempre trabalhou comigo, é uma ótima trabalhadora. Deve ter muita pena por isto estar a acontecer, mas é responsável", afirma.

Em causa, explica, estão diversas situações que, em alguns casos, podem até configurar crime. "Forjam documentos para justificar obras; adjudicam obras sem caderno de encargos; fazem-se empreitadas para coisas que nunca se fizeram", denuncia. O ex-presidente diz que há inclusive um vereador que "leva os carros da câmara para casa e anda ao fim de semana neles a passear com a família".

Garantindo ter documentos que provam as acusações que faz, Litério Marques diz que tem sido feita "muita caça ao voto com dinheiro público". "Fazem-se entradas para as casas, estradinhas... E o essencial não se faz. A senhora presidente deve ter gastado mais de cem milhões de euros. Não se vê uma obra", lamenta, manifestando-se confiante. "Se for capaz de fazer chegar às pessoas tudo o que se tem feito de mal no concelho, as minhas expectativas são ótimas."

Associações e animais

As associações são uma das prioridades do candidato do PSD: "É preciso avaliar o trabalho de cada associação e ajudá-las a ter um projeto que represente algo de signi- ficativo para o concelho. Muitas delas nem têm associados nem projeto e recebem subsídios." Outra é a construção de um canil: "Temos obrigação de ter um canil no concelho onde os munícipes possam deixar os animais."

Litério Marques diz que é urgente avançar com o acesso à autoestrada. "O desenvolvimento industrial é prioritário e tem de se fazer algo nesse sentido. Farei todo o esforço para que venhamos a ter a possibilidade de aceder às grandes distâncias de forma livre."

Mesmas políticas

Fátima Flores, que repete a candidatura de 2013 como cabeça-de-lista da CDU, diz que o facto de o partido não ter representantes na vereação e na Assembleia Municipal a impede de saber "muito do que se passa no concelho". "Num município tradicionalmente PSD, faz falta uma visão de esquerda sobre os assuntos mais prementes", destaca. Refere-se, por exemplo, às acessibilidades, aos transportes, ao ambiente e ao Plano Diretor Municipal, que, no seu entender, privilegia a construção urbana em detrimento da rural, levando à desertificação das aldeias.

Quanto ao mandato que agora termina, Fátima Flores não viu "uma diferença muito grande de atuação relativamente aos do PSD". No seu entender, a criação do MIAP foi mais uma mudança "de pessoas do que de políticas". Houve mais investimento na cultura, reconhece, mas "os vícios dos anteriores mandatos continuam".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.