PSD exige explicações urgentes sobre demissão

Manuel Delgado demitiu-se na sequência das suspeitas de gestão danosa na Raríssimas, associação de que era consultor

Lusa
© Paulo Spranger/ Global Imagens

O PSD exigiu hoje explicações urgentes sobre as circunstâncias da demissão do secretário de Estado Manuel Delgado, ou dadas pelo próprio, ou pelo ministro da Saúde, na sequência das suspeitas de gestão danosa na associação Raríssimas.

Esta posição foi transmitida no parlamento em conferência de imprensa pela deputada social-democrata Clara Marques Mendes, após o primeiro-ministro, António Costa, ter aceitado o pedido de demissão de Manuel Delgado, designando Rosa Matos Zorrinho para o cargo de secretária de Estado da Saúde.

Na conferência de imprensa, Clara Marques Mendes foi várias vezes questionada se o PSD defende também a demissão do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, que foi vice-presidente da assembleia-geral da associação Raríssimas até assumir funções no Governo no final de 2015.

"Cabe ao próprio ministro avaliar. O PSD não se vai pronunciar" para já, respondeu a deputada social-democrata

Para Clara Marques Mendes, a demissão hoje ocorrida "tem de ser esclarecidas, razão pela qual "é importante" que o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, ou o próprio Manuel Delgado, apresentem "explicações".

"Todos sabemos que houve colaboração de Manuel Delgado com a associação Raríssimas antes de ser secretário de Estado da Saúde. No domingo, Manuel Delgado emitiu um comunicado a dizer que não havia qualquer problema com a situação, mas dois dias depois parece que há efetivamente um problema, já que se demitiu do cargo de secretário de Estado da Saúde", apontou a deputada do PSD.

Clara Marques Mendes frisou depois que "esta suspeita não se pode manter".

"As razões da demissão do senhor secretário de Estado têm de ser rapidamente conhecidas", insistiu.

Na conferência de imprensa, a deputada social-democrata referiu ainda que na segunda-feira o PSD já exigiu saber "quais as consequências que o ministro Vieira da Silva tira desta situação" com a associação Raríssimas.

"O que foi dito por si numa conferência de imprensa não corresponde exatamente àquilo que é conhecido através de documentos. Para o PSD, a conferência de imprensa do ministro Vieira da Silva não foi de todo esclarecedora", acrescentou.