PCP junta-se a PSD e CDS e chumba proposta contra utilização de glifosato

Bancada comunista não alinha com a esquerda na votação parlamentar para impedir o uso do herbicida cancerígeno em zonas urbanas, de lazer e vias de comunicação

O.L.O. / Lusa
© Leonardo Negrão / Global Imagens

O grupo parlamentar do PCP votou esta quarta-feira ao lado do PSD e do CDS e ajudou a chumbar o projeto de lei do Bloco de Esquerda (BE) que visava proibir a utilização do herbicida glifosato em espaços urbanos. Os votos favoráveis do PS, do PEV e do PAN não chegaram assim para fazer vingar o diploma que os bloquistas anunciaram no encerramento das suas jornadas parlamentares, na semana passada.

Entretanto, o PCP apresentou também um projeto de resolução recomendando ao Governo medidas para controlar os fitofármacos e sua aplicação sustentável, nomeadamente através da criação de uma comissão multidisciplinar para acompanhar esta área, o qual deverá ser votado sexta-feira.

A iniciativa do BE contemplava a interdição do recurso a "quaisquer produtos fitofarmacêuticos contendo glifosato em zonas urbanas, de lazer e vias de comunicação".

Em abril, o Parlamento Europeu defendeu a renovação da autorização para comercializar glifosato por somente sete anos, contra os 15 anos inicialmente previstos.

Várias organizações, nomeadamente ambientalistas e, em Portugal, partidos como o PEV ou o PAN, além do próprio BE, têm pedido a proibição da venda de herbicidas com glifosato.

Uma petição a decorrer em Portugal contra o uso de glifosato tem já mais de 15 mil assinaturas.