Maria João Rodrigues, Vieira da Silva e Silva Peneda debatem emprego e economia social

A conferência desta terça-feira é dedicada à Economia Social e ao Emprego

Céu Neves
© Diana Quintela / Global Imagens

Que futuro para o pilar europeu dos direitos sociais num tempo de mudança e de afirmação da quarta revolução industrial? Foi este o tema do segundo dia de reflexão das conferências que assinalam o 153.º aniversário do DN, em que se questionaram os desafios do também chamado terceiro setor e o emprego, que integra muitos dos equipamentos de apoio aos cidadãos e à família, num mundo cada vez mais digitalizado.

O debate contou com uma mesa constituída por Maria João Rodrigues, eurodeputada do PS, Marinho e Pinto, eurodeputado do PDR, e Silva Peneda, economista e conselheiro da Comissão Europeia, ex-deputado, nacional e europeu, e ex-ministro do Emprego.

Termina com uma intervenção de Vieira da Silva, ministro do Trabalho, do Emprego e da Segurança Social.

A moderação é de Paulo Tavares, diretor-adjunto do DN.

A formação profissional e uma maior participação do Estado no nascimento e desenvolvimento das empresas da economia social foram duas das ideias chave apresentadas por Paula Guimarães, diretora da Fundação Montepio, na abertura da conferência.

"A Associação Mutualista tem procurado estimular a mudança. E ela está a ocorrer, não tão depressa como seria desejável e necessário, mas estamos convictos de que somos, juntos, uma das mais relevantes armas para combate a algumas das ameaças do futuro", salientou a dirigente.