Morreu Manuel Reis, o homem que mudou a noite de Lisboa

Era dono do Lux e fundador do Frágil

Lina Santos
Manuel Reis, uma das mais importantes figuras da noite lisboeta desde os anos 80, ao lado da criadora de moda Ana Salazar edição de 2003 da ModaLisboa | foto Rui Vasco / Moda Lisboa
O empresário Manuel Reis abriu o Frágil e o Lux, onde desenvolveu atividade cultural | foto Sávio Fernandes/ Global Imagens
Manuel Reis com Margarida Martins, ex-diretora da Abraço, atual presidente da junta de freguesia de Arroios e antiga porteira do Frágil no Bairro Alto
Manuel Reis fotografado em 2007 ao lado de Luícia Azevedo e Filipe Faísca
Com João Soares, na festa de inauguração do Lux, a 29 de setembro de 1998 | foto Edmea Brigham/ Arquivo DN
Manuel Reis no aniversário do Lux, em 2013
Manuel Reis, uma das mais importantes figuras da noite lisboeta desde os anos 80, na festa do segundo aniversário do Lux, em 2000 | foto Gustavo Bom/ Global Imagens
Manuel Reis na Moda Lisboa, em 2010, ao lado do vereador José Sá Fernandes e de Eduarda Abbondanza, diretora do evento | foto Natacha Cardoso/ Global Imagens
Manuel Reis no funeral de Manuel Salazar, ex-marido de Ana Salazar | foto Gustavo Bom/ Global Imagens

Sempre que se escreve a história da noite de Lisboa, o nome de Manuel Reis aparece em muitas páginas, dos anos 80 e da fundação do Frágil no Bairro Alto, à inauguração do Lux Frágil, na euforia da Expo 98. Morreu este domingo, aos 71 anos, vítima de doença prolongada.

"O Manuel fez maior esta cidade, o nosso mundo e as nossas vidas também", escreveram aqueles que com que ele estiveram no Lux, em comunicado.

Pela discoteca que Manuel Reis abriu no número 126 da rua da Atalaia, Bairro Alto, a 15 de junho de 1982, passaram artistas plásticos, atores, jornalistas, escritores, fotógrafos. Sérgio Godinho e Jorge Palma, Alexandra Lencastre e João Botelho, Clara Ferreira Alves e Maria João Avillez. António Variações e Miguel Esteves Cardoso. Todos os que passaram o crivo das porteiras, a cantora Anamar, então uma estudante do Conservatório Nacional, e Margarida Martins, hoje presidente da Junta de Freguesia de Arroios, que se transformou numa figura da noite de Lisboa e ganhou a alcunha de Guida Gorda.

A antiga mulher da porta chamou-lhe "sala de cultura" numa entrevista ao "Sol" a propósito do encerramento do bar, em 2012. "Foi a primeira vez que fomos modernos e cosmopolitas à noite", afirmou. "Meu mestre, partiu", escreveu esta noite no Facebook.

Nascido a 29 de julho de 1946, Manuel Reis, que vendia antiguidades e era dono da Loja da Atalaia, trouxe os artistas para um bairro decadente. Aqueles que hoje vemos nos museus, como Pedro Cabrita Reis e Rui Sanches foram convidados a trabalhar o espaço. Ao mesmo tempo, nasciam figuras da noite como Zé da Guiné ou Hernâni Miguel. Designers de moda abriam caminho e as Manobras de Maio encheram a Rua do Século em 1986.

O Frágil ocupou os espaços deixados vagos pela Padaria de São Roque a Tasca da Gaivota - onde um pássaro deste espécimen, preso por um cordel a uma mesa, afastava cães e gatos - após um longo período de obras. Entre a reforma e a inauguração, no verão de 1982, abre o restaurante Pap'açorda, mais um marco da vida cosmopolita portuguesa nos anos 80 e 90.

Quem esteve no primeiro dia recorda as colunas douradas, peças encontradas em mercados, uma cortina de veludo vermelho. "A primeira de todas as outras noites que se seguiram em data", recordou a empresária de A Vida Portuguesa Catarina Portas ao "Sol". Começou a frequentar a discoteca aos 16 anos, era a única onde podia entrar, porque os pais conheciam Manuel Reis.

O que Manuel Reis fez à noite no Frágil começou de dia nas montras da Loja da Atalaia, onde, nos anos 80, mostrou o trabalho de designers portugueses como Miguel Vieira Baptista, Filipe Alarcão ou Miguel Rios. A edição de peças em séries limitadas fez pelo design o que as editoras independentes de discos fizeram na música.

Era um homem tímido, avesso a entrevistas, a falar com jornalistas. Quando Pedro Santana Lopes, então secretário de Estado da Cultura, proibiu que se dançasse nos bares do Bairro Alto, o empresário encheu a pista de cadeiras. "Manuel Reis é um génio de Lisboa, daqueles que emergem das lamparinas e que nos oferecem três desejos. Quanto mais impossíveis os desejos mais ele teima em realizá-los. O Frágil e o Lux Frágil eram impossibilidades, continuam a ser fantasias que, ninguém sabe como, se tornaram realidades", escreveu Miguel Esteves Cardoso no Público, a 13 de janeiro.

"[Manuel Reis] é um génio da liberdade. Alguém que trabalha para libertar. Fê-lo no Frágil, continua a fazê-lo no Lux. Corpos, cabeças, ideias, costumes - da maneira mais eficaz e antiga que existe, a de criar lugares de encontro, de cruzamento, de troca, de entrega, de comunhão, de amor: cidades dentro da cidade. Cidades de dança", escreveu Fernanda Câncio no DN, a 5 de março.

João Soares, ex-presidente da Câmara de Lisboa, lembrou-o assim no Facebook: " Alguém de um bom gosto, sensibilidade, e talento, raros. A quem a cidade de Lisboa, deve uma obra notável. Onde está o "Lux". Tive a honra de o ter, sempre, como apoiante. Aqui fica, sentido e triste, tributo de respeito à memória de Manuel Reis."

"Há pessoas que conseguem deixar a sua marca numa cidade. Nos seus dias e nas suas noites. Manuel Reis, um algarvio de nascimento, mudou, desde a minha adolescência, a noite da minha. Como alfacinha orgulhoso que teve o privilégio de nascer numa das mais belas cidades do mundo, tenho-lhe esta dívida"; escreveu esta noite Daniel Oliveira, comentador do Eixo do Mal da SIC Notícias.

No final dos anos 90, Manuel Reis trocou o Bairro Alto por Santa Apolónia. Quase a mesma história de fazer a diferença, se podia contar da discoteca Lux Frágil, onde Manuel Reis teve o ator John Malkovich como sócio. Um lugar para uma nova geração de pessoas começavam a sair à noite (e de dia), de concertos únicos, onde Michael Stipe esteve depois do primeiro concerto em Lisboa, em 1999. O Lux tinha inaugurado meses antes, a 29 de setembro de 1998, um dia antes do encerramento da Expo 98.

No Lux, Joana Vasconcelos, a artista, chegou a estar à porta; Yen Sung converteu-se numa das primeiras mulheres DJ portuguesas; apresentaram-se livros de poemas de Mário Cesariny, casou-se. Simbolicamente, o designer Ricardo Mealha antes da lei que aprovava casamentos entre pessoas do mesmo género ser aprovada. Aqui se encontraram a arte e a moda portuguesas.

Rive-Rouge foi a sua última inauguração em 2016. Um bar, onde também se pode dançar, no Mercado da Ribeira.

As cerimónias de despedida acontecem na terça-feira, no Teatro Thalia, em Lisboa, "à noite como o Manuel gostava, em hora a comunicar", segundo o comunicado do Lux.

[Notícia atualizada com informações sobre a cerimónia de despedida de Manuel Reis]