Estão a aumentar os pedidos de apoio psicológico nas universidades

Há instituições de ensino superior que referem um aumento muito significativo na procura, mas faltam recursos para o satisfazer

Joana Capucho
© Gonçalo Villaverde/Global Imagens

Ansiedade, ataques de pânico, falta de apetite, dias a fio sem dormir. "Foi uma estupidez aquilo a que me sujeitei", diz Francisco M., de 28 anos, a fazer um doutoramento em Biotecnologia. Estava no segundo ano da licenciatura em Bioquímica quando os problemas começaram a surgir. "Efetuei um crédito para poder estudar, não podia chumbar. Coloquei muita pressão sobre mim mesmo. Também coincidiu com o facto de ter deixado de praticar desporto", recorda.
Com a psicoterapia, Francisco aprendeu "a gerir a ansiedade". Já não tem crises. "Sou financiado por uma instituição para fazer o doutoramento, mas não quero seguir esta área. Para quem quer continuar, pode ser doentio", assume, destacando a precariedade em que vivem os doutorandos e a pressão para fazer publicações. "Já vi pessoas a chorar pelos corredores do centro de investigação, a terem ataques de pânico", releva.

Quem faz doutoramento está, segundo um estudo publicado na Nature Biotechnology, seis vezes mais sujeito a ansiedade e depressão do que a população em geral. Na investigação feita nos EUA, 39% dos doutorandos disseram ter ansiedade grave a moderada, enquanto na população em geral essa percentagem não passou dos 6%. Mas o problema não é exclusivo dos doutorandos. Várias universidades contactadas pelo DN referem um aumento no número de pedidos de apoio psicológico por parte dos alunos de licenciatura e mestrado. E a ansiedade lidera entre as queixas mais frequentes.

De acordo com os dados cedidos ao DN pelos Serviços de Ação Social da Universidade de Aveiro, em 2014 foram dadas 844 consultas de psicologia aos estudantes da instituição, um número que subiu para 1936 em 2016. Já no ano passado, os serviços ofereceram 1477 consultas, mas não houve uma diminuição na procura. "A procura tem vindo a aumentar muito. No entanto, a limitação de recursos humanos tem restringido o número de consultas disponibilizado. A procura excede a oferta", adianta ao DN aquele serviço. Um crescimento que justifica com uma maior divulgação e com a qualidade do acompanhamento.

Na Universidade de Coimbra, o cenário é semelhante: 774 consultas em 2014; 589 em 2015; 1255 em 2016 e 1411 no ano passado (dados provisórios). "Aumentámos o número de psicólogos e, quando isso acontece, aumenta a procura. Não me parece que haja mais gente doente, mas as pessoas estão mais atentas, procuram-nos mais", diz ao DN António Queirós, responsável pelos Serviços de Saúde e de Gestão da Segurança no Trabalho dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC).

A área da saúde mental tem, segundo António Queirós, merecido uma atenção especial por parte da UC, que em 2016 criou a Consulta do Jovem Universitário - um serviço que conjuga psicologia e psiquiatria -, pela qual passaram 82 alunos nesse ano. "A nossa preocupação tem muito que ver com a situação dos estudantes, que estão habitualmente deslocados, afastados das famílias e dos amigos, com necessidade de corresponder às expectativas e por vezes com dificuldades de integração." Mas ainda esbarram com "o estigma, o medo de serem discriminados, e a negação, pois não sabem ou negam que estão doentes".

As consultas mais pedidas

Na Universidade de Lisboa, Cláudia Correia diz que "as consultas de apoio psicológico são as que têm maior procura junto da comunidade académica, representando esta especialidade entre 45% e 50% do total de consultas disponibilizadas no centro médico". Em causa estão, segundo a responsável, "situações relacionadas com perturbações de ansiedade generalizada, perturbações de humor nomeadamente depressões, problemas relacionais, familiares e dificuldades académicas que comprometem o sucesso".

Em 2016 foram realizadas 1647 consultas de psicologia na ULisboa e em 2017 registaram-se 1298. "Mas a procura não tem diminuído. Temos sempre novos pedidos ao mesmo tempo que temos de assegurar os seguimentos. Há alturas do ano com mais procura, principalmente no início do ano e na época das avaliações", avança Cláudia Correia.

Foi precisamente na primeira época de exames da licenciatura que Mariana Abrantes, de 23 anos, sentiu o primeiro pico de stress e ansiedade. "Por causa do choque relacionado com a quantidade de matéria a estudar e do número de exames", diz a jovem, a fazer mestrado em Biologia Aplicada. Essa ansiedade é agora causada pela incerteza em relação ao futuro. "Com a precariedade que existe no setor da ciência, cada vez me sinto mais perto de ter de entrar nessa vida incerta ou ter de arranjar opções alternativas, possivelmente ir para fora." E ainda falta a tese, ressalva.

Faculdades dão consultas

Além dos serviços de ação social, há faculdades que também têm gabinetes de apoio aos estudantes. É o caso da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, onde anualmente se registam cerca de 600 consultas. "A procura tem vindo a aumentar. Tínhamos uma psicóloga em part-time, mas, devido à crescente procura, passou a full-time. Penso que há mais sensibilidade dos estudantes para pedir ajuda", diz Filipa Vieira, responsável por este serviço.

Os problemas variam consoante o ciclo de ensino. "Nos primeiro e segundo ciclos, há a fase de adaptação ao ensino superior, a uma nova forma de avaliação, à relação com os colegas, à pressão." Já o doutoramento, prossegue, "é para muitos uma forma de trabalhar na área obtendo rendimentos com bolsa", mas nem sempre uma vocação, pelo que pode surgir frustração.

Maria do Rosário Pinheiro, orientadora de mestrados e doutoramentos na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, explica que "o doutoramento é um trabalho de grande exigência, pressão. Exige muita persistência, organização". Um processo que muitas vezes tem de ser conciliado com a vida pessoal e profissional. É, por isso, "muito possível que o doutorando entre em exaustão, podendo haver ansiedade, depressão, burnout".

No Gabinete de Apoio ao Estudante da FPCE da Universidade de Coimbra, dirigido por Maria do Rosário, "a procura de apoio psicológico e aconselhamento de carreira tem vindo a aumentar", essencialmente pelos alunos de licenciaturas e mestrados: "A ansiedade e a depressão estão muito presentes nos pedidos."

Ordem quer reforço de profissionais

Problemas como o abandono e o insucesso académico no ensino superior podem ser minimizados com a intervenção de psicólogos. Quem o diz é Teresa Espassandim, membro da direção da Ordem dos Psicólogos, que considera que faltam profissionais desta área nas universidades: "Em Portugal, temos 361 mil estudantes do ensino superior e não existirão mais do que cem psicólogos a intervir neste contexto." Preocupações que já foram dadas a conhecer à Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Com o "crescimento do apoio psicológico aos estudantes na década de 1990 e no início dos anos 2000", a psicóloga refere que "vai existindo alguma possibilidade de acesso a consultas", mas "ainda muito aquém". Destacando que deve ser feita uma aposta na prevenção, adianta que estes profissionais "intervêm nas grandes preocupações das universidades: abandono, insucesso académico, mudança de curso". Problemas que "originam sintomatologia ansiosa e depressiva".

Teresa Espassandim recorda o estudo da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, feito em 2012, que concluiu que 17,4% dos universitários têm sintomatologia depressiva clinicamente significativa e lembra que "é entre os 18 e os 24 anos que se desenvolvem as psicopatologias graves". Por isso, frisa, esta é uma área que preocupa a ordem: "Temos um grupo de trabalho para a intervenção do psicólogo em contexto de ensino superior, com vista à criação de guidelines, devido à necessidade de orientação neste contexto, que implica uma amplitude de atividades e de programação de intervenção e prevenção."

Quando chegam ao ensino superior, os jovens deparam-se com desafios novos, o que faz que esta seja uma altura que merece especial atenção do ponto de vista do apoio psicológico. "Vão viver sozinhos, por vezes não estão no curso desejado e não têm o êxito escolar que pretendiam. Isto pode desencadear uma ansiedade maior. Além disso, há casos em que existe consumo de álcool e drogas associado", indica a psicóloga.

Mesmo que existisse um psicólogo em cada universidade, esta representante da Ordem dos Psicólogos considera que não seriam suficientes, "uma vez que o número de alunos é muito elevado". Além da intervenção nos problemas psicológicos, destaca a atuação no "desenvolvimento de competências cognitivas, sociais, acompanhamento vocacional". J.C.