CDS desmente Costa: governo não falou com os centristas sobre descentralização

António Costa diz que falou com "todas as forças políticas" sobre descentralização. CDS nega contactos e critica atitude do governo.

Susete Francisco
Nuno Magalhães é o líder da bancada parlamentar do CDS© MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O primeiro-ministro tem insistido que o governo manteve contactos com todas as forças políticas sobre o futuro quadro de apoio europeus e a descentralização, mas há pelo menos um partido que se diz excluído dessas conversações. O CDS contrapõe que não houve qualquer conversa com o governo sobre a transferência de novas competências para as autarquias. E quanto ao quadro comunitário de apoio, diz que houve apenas uma reunião - com todos os grupos parlamentares - em que o executivo comunicou aos partidos as suas intenções face a Bruxelas.

É o próprio líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães, quem contradiz as palavras de António Costa. Quanto à descentralização, "não é verdade" que tenha havido qualquer contacto com o governo. "Não houve nenhuma reunião, nenhum diálogo", especifica o líder da bancada centrista. Sendo públicas as negociações com o PSD - encerradas na quarta-feira com a assinatura de dois documentos conjuntos entre o executivo e os sociais-democratas - e sendo certo que Bloco de Esquerda e PCP também foram chamados para falar sobre os dois temas, Nuno Magalhães regista que o CDS foi o "único" partido que não foi ouvido nestas conversações. Já quanto aos fundos europeus, o deputado fala numa "meia verdade", dado que há cerca de um mês todos os grupos parlamentares foram convocados para uma reunião com o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, no parlamento. Um encontro onde estiveram presentes os centristas Pedro Mota Soares e Cecília Meireles, e que serviu para uma "apresentação genérica das prioridades" portuguesas no âmbito dos programas Portugal 2020 e Portugal 2030.

Nuno Magalhães contraria, assim, uma afirmação reiterada do primeiro-ministro, que tem garantido que o governo manteve negociações não apenas com o PSD, mas que falou com todos os partidos. Ainda na última segunda-feira, António Costa afirmava que o executivo tem mantido contactos "com todas as forças políticas" sobre descentralização e fundos comunitários para a próxima década, lembrando que o programa de governo estabelece "que há um conjunto de matérias que devem ser objeto de um acordo político mais alargado".

O CDS "não deixa de notar e de registar" a atitude do executivo perante "matérias estruturais para o país", diz Nuno Magalhães, mas acrescentando que o CDS "põe o país à frente e, em todo o caso, está disponível para o diálogo". "A nossa posição é conhecida, temos projetos numa e noutra matéria", sublinha o líder da bancada democrata-cristã, defendendo que estes temas devem ser discutidos "no parlamento e às claras". "Independentemente da existência de reuniões preparatórias, o importante é que os temas sejam debatidos no parlamento e de forma clara", sustenta Nuno Magalhães.