"Caso Centeno" não será discutido no plenário do Parlamento Europeu

Questão foi suscitada pelo líder parlamentar do Partido Popular Europeu (PPE), o alemão Manfred Weber, depois da notícia de buscas no Ministério das Finanças

João Pedro Henriques
Mário Centeno: Notícia das buscas nas Finanças difundida por toda a Europa© Yves Herman/Reuters

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel garantiu esta manhã ao DN que o "caso Mário Centeno" não será discutido no plenário do Parlamento Europeu - pode, quando muito, ser conversado amanhã numa conferência de líderes parlamentares.

Em causa está o facto de o ministro das Finanças (e agora presidente do Eurogrupo) ter pedido ao Benfica que o colocassem a ele e a um filho na tribuna de honra do clube da Luz, argumentando com razões de segurança.

Há dias as autoridades judiciais fizeram buscas no ministério das Finanças, estando Centeno aparentemente sob suspeita de recebimento indevido de vantagem.

Paulo Rangel explicou ao DN que ele próprio protestou imediatamente junto de Weber - e o PSD, bem como o CDS, integram o PPE - e a esses protestos juntaram-se socialistas, ecologistas e liberais. "Impertinente e absurda" foi como o eurodeputado classificou ontem a pretensão de Weber, argumentando que, pelo menos por ora, não há nada a discutir (a investigação criminal não tem arguidos e nem se sabe exatamente o que está a ser investigado). "Não há nada para esclarecer", acrescentou hoje ao DN.

O que o eurodeputado ainda não está em condições de garantir é que o assunto nem sequer seja abordado na conferência dos líderes parlamentares do Parlamento Europeu, que costuma decorrer geralmente às quintas-feiras de manhã. As notícias das buscas no Ministério das Finanças chegaram ao influente site europeu de notícias Politico.eu e terá sido isso que levou Manfred Weber a atuar.