Alunos do primeiro ciclo com menos meia hora de aulas por dia

Medida entra já em vigor em setembro. O intervalo da manhã no 1º ciclo passa a integrar o tempo letivo do professor.

A partir de setembro, o intervalo da manhã das aulas do 1.º ciclo passa a ficar integrado na componente letiva dos docentes Ou seja: os alunos vão ter menos 30 minutos de aulas por dia, num total de quatro horas e meia por dia.

Assim, segundo noticia o JN, no regresso às aulas, o intervalo passará a fazer parte do número de horas que os professores têm de lecionar por dia - cinco horas letivas, agora divididas não só entre as aulas e o apoio ao estudo mas também com o intervalo. A informação consta já da circular sobre a organização do ano letivo que a Direção-Geral de Educação fez chegar às escolas no final do mês passado. Os horários do 1.º ciclo terão agora de ser reorganizados, responsabilidade que cabe aos agrupamentos.

Na prática, as escolas terão três hipóteses, segundo o JN: começar as aulas mais tarde (9.30 em vez 9.30), alargar a pausa para almoço (de 13.30 para 14.00) ou terminar as aulas mais cedo (15.30). Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas, prevê que aumentar a pausa para a almoço seja a opção preferida da maioria dos diretores.

Os pais, ouvidos pelo JN, apelam a que os professores "façam um acompanhamento adequado das crianças fora da sala de aulas", como diz Jorge Ascenção, presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais, com o seu congénere da Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação a pedir ainda que "a aprendizagem não seja prejudicada pela falta de duas horas e meia de horário letivo por semana".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.