BE defende "opções decisivas" para impedir compra da Media Capital

"É preciso tomar opções decisivas para impedir esta concentração", disse Catarina Martins aos jornalistas, no concelho de Beja, no Alentejo

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu hoje "opções decisivas" para "impedir" a compra da Media Capital, dona da TVI, pela Altice, que detém a PT/Meo, por implicar "uma concentração" que "põe em causa a pluralidade da informação".

"Não é coisa pouca a liberdade de informação e de comunicação, é um pilar essencial da democracia e, portanto, é preciso tomar opções decisivas para impedir esta concentração", disse Catarina Martins aos jornalistas, no concelho de Beja, no Alentejo.

Segundo Catarina Martins, o Bloco de Esquerda já fez no passado e não deixará de fazer novas propostas "para parar" a concentração nos media, o que considera "um ataque à democracia, porque é um ataque à liberdade de imprensa" em Portugal.

"Foi um tremendo erro entregar a TDT [Televisão Digital Terrestre] à PT [Portugal Telecom], foi um negócio danoso do interesse público. Foi um tremendo erro deixar que a PT fosse destruída e entregue à Altice. Aumentar o erro, permitindo que a Altice compre a TVI, a Plural, uma série de conteúdos, fazendo uma concentração na comunicação social, que põe em causa pluralidade da informação no nosso país, é verdadeiramente desastroso e não deve acontecer", alertou.

Catarina Martins disse que "é preciso perguntar como é que foi possível a Entidade Reguladora para a Comunicação Social [ERC] não ter tomado posição sobre o assunto quando o parecer dos serviços técnicos é que este negócio tinha de ser parado, porque era um perigo para a liberdade de informação e comunicação" em Portugal.

O Conselho Regulador da ERC não chegou a consenso sobre a operação de compra da Media Capital (dona da TVI) pela Altice (proprietária da PT/Meo), já que era necessário que os três membros estivessem de acordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.