Altice diz que contactou em janeiro homem que andou a pé 2 quilómetros para ligar ao INEM

Empresa refere ainda que 99,5% dos clientes de linha fixa afetados pelos incêndios têm os seus serviços repostos

Depois de ter sido noticiado pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, que a Anacom estaria a fiscalizar casos de falhas de funcionamento nas zonas afetadas pelos incêndios, a Altice afirmou esta sexta-feira que a totalidade da rede móvel e fixa afetada pelos incêndios está "reconstruída" e que apenas 0,5% dos clientes de linha fixa ainda não têm a situação resolvida.

"A Altice Portugal reitera que 100% da sua rede de comunicações fixa e móvel afetada pelos incêndios está reconstruída, tendo inclusivamente feito um investimento de expansão de fibra ótica nestes concelhos, com uma cobertura em média de mais de 50% do seu território. À data de hoje, cerca de 99,5% dos clientes afetados pelos incêndios tem os seus serviços repostos", lê-se num esclarecimento feito pela empresa.

É também explicado que a "maioria das ligações que faltam efetuar se devem à incapacidade de chegar ao contacto com vários clientes".

Ainda segundo a Altice, esta última situação terá sido o caso do idoso do concelho da Sertã, Castelo Branco, não conseguiu pedir socorro ao ver a mulher caída no chão, a meio da noite, por não ter o telefone fixo ativo e saber apenas usar o telemóvel para receber chamadas. Segundo foi noticiado esta sexta-feira, o homem de 79 anos teve de percorrer mais de dois quilómetros a pé para pedir auxílio. Mais de uma hora depois, as autoridades tentaram reanimar a mulher, mas já não conseguiram salvá-la.

Na referida nota enviada ao DN, a Altice diz que "foram mantidos contactos com o cliente em causa, tendo este sido contactado pela Altice Portugal no dia 5 de janeiro de 2018, sem sucesso. Posteriormente, foi enviada uma carta para a sua habitação, a 12 de janeiro de 2018, no sentido do cliente entrar em contacto com a Altice Portugal, para ser feito o agendamento da reposição do serviço. Não tendo a Altice Portugal registo de qualquer contacto do cliente para confirmar e efetivar esse agendamento".

"A Altice Portugal garante que o local onde habita o cliente tem cobertura de rede móvel, sendo possível efetuar chamadas com sucesso e qualidade", lê-se também.

A empresa ressalva ainda que "tomou a iniciativa de enviar uma comunicação a todos os presidentes dos municípios e a mais de quatro centenas de presidentes de Juntas de Dreguesia dos concelhos afetados pelos incêndios, a 31 de janeiro de 2018".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.