Altice diz que contactou em janeiro homem que andou a pé 2 quilómetros para ligar ao INEM

Empresa refere ainda que 99,5% dos clientes de linha fixa afetados pelos incêndios têm os seus serviços repostos

Depois de ter sido noticiado pelo ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, que a Anacom estaria a fiscalizar casos de falhas de funcionamento nas zonas afetadas pelos incêndios, a Altice afirmou esta sexta-feira que a totalidade da rede móvel e fixa afetada pelos incêndios está "reconstruída" e que apenas 0,5% dos clientes de linha fixa ainda não têm a situação resolvida.

"A Altice Portugal reitera que 100% da sua rede de comunicações fixa e móvel afetada pelos incêndios está reconstruída, tendo inclusivamente feito um investimento de expansão de fibra ótica nestes concelhos, com uma cobertura em média de mais de 50% do seu território. À data de hoje, cerca de 99,5% dos clientes afetados pelos incêndios tem os seus serviços repostos", lê-se num esclarecimento feito pela empresa.

É também explicado que a "maioria das ligações que faltam efetuar se devem à incapacidade de chegar ao contacto com vários clientes".

Ainda segundo a Altice, esta última situação terá sido o caso do idoso do concelho da Sertã, Castelo Branco, não conseguiu pedir socorro ao ver a mulher caída no chão, a meio da noite, por não ter o telefone fixo ativo e saber apenas usar o telemóvel para receber chamadas. Segundo foi noticiado esta sexta-feira, o homem de 79 anos teve de percorrer mais de dois quilómetros a pé para pedir auxílio. Mais de uma hora depois, as autoridades tentaram reanimar a mulher, mas já não conseguiram salvá-la.

Na referida nota enviada ao DN, a Altice diz que "foram mantidos contactos com o cliente em causa, tendo este sido contactado pela Altice Portugal no dia 5 de janeiro de 2018, sem sucesso. Posteriormente, foi enviada uma carta para a sua habitação, a 12 de janeiro de 2018, no sentido do cliente entrar em contacto com a Altice Portugal, para ser feito o agendamento da reposição do serviço. Não tendo a Altice Portugal registo de qualquer contacto do cliente para confirmar e efetivar esse agendamento".

"A Altice Portugal garante que o local onde habita o cliente tem cobertura de rede móvel, sendo possível efetuar chamadas com sucesso e qualidade", lê-se também.

A empresa ressalva ainda que "tomou a iniciativa de enviar uma comunicação a todos os presidentes dos municípios e a mais de quatro centenas de presidentes de Juntas de Dreguesia dos concelhos afetados pelos incêndios, a 31 de janeiro de 2018".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.