Almoço entre líder do CDS e Nadia Piazza selou acordo

Líder do CDS escolheu dois independentes - Pedro Mexia e Nadia Piazza - para participar no programa eleitoral.

Uma das surpresas do congresso do CDS - o anúncio da participação de Nadia Piazza no grupo que vai preparar o programa eleitoral dos centristas - foi selado num almoço entre Assunção Cristas e a presidente da Associação de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Pedrógão Grande, durante a visita da presidente do partido, no passado dia cinco, aquele concelho.

Na sua informação oficial, o CDS destaca este "recrutamento" por Piazza "poder contribuir com um olhar profundo e conhecedor do interior do país" e "surge na sequência de várias visitas que Assunção Cristas tem feito às zonas ardidas, onde tem sempre defendido a necessidade do governo mobilizar dinheiro a sério para prioridades como a recuperação das segundas habitações ou mesmo reformas estruturais para o interior". "A Assunção tem sempre falado com a Nadia durante todos estes meses, acompanhado o trabalho da associação, tentando também dar voz às preocupações e problemas daquelas pessoas. A Nadia Piazza sentiu esse apoio e aceitou o convite para integrar, na qualidade de independente, o grupo dos sub 45", revelou ao DN uma fonte centrista que acompanhou o processo.

Na sua intervenção, Cristas referiu-se a Nadia Piazza como uma jovem mulher que todos ficámos a conhecer pela forma como tem transformado a tristeza e o infortúnio de 2017 num trabalho a favor de todas as vítimas de Pedrógão". Piazza perdeu o seu filho de cinco anos, o seu ex-marido e a sogra nestes fogos.

Nadia Piazza integra um grupo, coordenado pelo vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes, que conta com seis militantes e dois independentes. Além da jurista Nadia Piazza, o outro independente é Pedro Mexia, escritor, consultor de Marcelo Rebelo de Sousa e membro da equipa do "Governo Sombra".

Os "militantes" são Ana Rita Bessa, deputada, especialista em Educação, Graça Canto Moniz, doutoranda na área de proteção de dados, Mariana França Gouveia, advogada que trabalhará nas questões da justiça, Francisco Mendes da Silva, ex-deputado perito em matérias fiscais, João Moreira da Silva, cirurgião pediátrico que terá a "pasta" da Saúde e Jorge Teixeira, formado em filosofia, que vem da Juventude Popular do Barreiro.

Ao DN, o coordenador do grupo Mesquita Nunes tinha levantado um pouco a ponta do véu em relação às linhas mestras do que vai ser o programa eleitoral do CDS "Num mundo em mudança permanente, com os desafios da economia digital, da inteligência artificial, da economia colaborativa, dos riscos ambientais e demográficos, o nosso programa terá como objetivo tornar Portugal um líder na nova economia, enfrentando e preparando a mudança, ao invés de tentar proteger-se dela", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.