Almoço entre líder do CDS e Nadia Piazza selou acordo

Líder do CDS escolheu dois independentes - Pedro Mexia e Nadia Piazza - para participar no programa eleitoral.

Uma das surpresas do congresso do CDS - o anúncio da participação de Nadia Piazza no grupo que vai preparar o programa eleitoral dos centristas - foi selado num almoço entre Assunção Cristas e a presidente da Associação de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Pedrógão Grande, durante a visita da presidente do partido, no passado dia cinco, aquele concelho.

Na sua informação oficial, o CDS destaca este "recrutamento" por Piazza "poder contribuir com um olhar profundo e conhecedor do interior do país" e "surge na sequência de várias visitas que Assunção Cristas tem feito às zonas ardidas, onde tem sempre defendido a necessidade do governo mobilizar dinheiro a sério para prioridades como a recuperação das segundas habitações ou mesmo reformas estruturais para o interior". "A Assunção tem sempre falado com a Nadia durante todos estes meses, acompanhado o trabalho da associação, tentando também dar voz às preocupações e problemas daquelas pessoas. A Nadia Piazza sentiu esse apoio e aceitou o convite para integrar, na qualidade de independente, o grupo dos sub 45", revelou ao DN uma fonte centrista que acompanhou o processo.

Na sua intervenção, Cristas referiu-se a Nadia Piazza como uma jovem mulher que todos ficámos a conhecer pela forma como tem transformado a tristeza e o infortúnio de 2017 num trabalho a favor de todas as vítimas de Pedrógão". Piazza perdeu o seu filho de cinco anos, o seu ex-marido e a sogra nestes fogos.

Nadia Piazza integra um grupo, coordenado pelo vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes, que conta com seis militantes e dois independentes. Além da jurista Nadia Piazza, o outro independente é Pedro Mexia, escritor, consultor de Marcelo Rebelo de Sousa e membro da equipa do "Governo Sombra".

Os "militantes" são Ana Rita Bessa, deputada, especialista em Educação, Graça Canto Moniz, doutoranda na área de proteção de dados, Mariana França Gouveia, advogada que trabalhará nas questões da justiça, Francisco Mendes da Silva, ex-deputado perito em matérias fiscais, João Moreira da Silva, cirurgião pediátrico que terá a "pasta" da Saúde e Jorge Teixeira, formado em filosofia, que vem da Juventude Popular do Barreiro.

Ao DN, o coordenador do grupo Mesquita Nunes tinha levantado um pouco a ponta do véu em relação às linhas mestras do que vai ser o programa eleitoral do CDS "Num mundo em mudança permanente, com os desafios da economia digital, da inteligência artificial, da economia colaborativa, dos riscos ambientais e demográficos, o nosso programa terá como objetivo tornar Portugal um líder na nova economia, enfrentando e preparando a mudança, ao invés de tentar proteger-se dela", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.