Alerta a 18 mil utentes após burla com taxas por SMS

Utentes estão a ser avisados para não pagarem taxas moderadoras com base em avisos por mensagem

"A ULSM informa que não cobra taxas moderadoras em dívida através de mensagens enviadas para o seu telemóvel. Se receber alguma mensagem não pague, denuncie". Este aviso publicado no site da unidade, foi enviado a mais de 18 mil utentes nos últimos dias, depois de ter sido detetado que alguém a mandar SMS a cobrar indevidamente taxas moderadoras. Quem as recebeu, até tinha acesso ao número de entidade e a referência multibanco para saldar a dívida.

O caso de eventual burla, que foi noticiado hoje pelo Jornal de Notícias, já mereceu um queixa no Ministério Público, por uso indevido do nome da ULSM, que integra não só o Hospital de Matosinhos mas também todos os centros de saúde do concelho.

Para prevenir outros casos de pagamento indevido, que já ocorreram em algumas situações, os utentes que têm consultas ou exames marcados para os próximos dias foram avisados desta situação, já que o hospital apenas cobra taxas moderadoras por carta, como aliás a generalidade das unidades de saúde.

A Deco, que também foi contactada pelo JN, afirma não ter conhecimento de nenhuma situação com burlas relacionadas com taxas moderadoras. Agora, a polícia terá de perceber como se chegou à base de dados da ULSM e obter os contactos telefónicos dos utentes.

O DN tentou contactar a ULSM mas ainda não teve resposta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.