Alegre apoia Costa na decisão da tolerância de ponto

"Laicidade não rima com insensibilidade nem com sectarismo", disse hoje ao DN o histórico socialista, comentando a decisão governamental.

Para Manuel Alegre, Portugal receberá nos dias 12 e 13 de maio, para participar nas celebrações do centenário de Fátima, a "maior figura viva da Humanidade neste momento", o Papa Francisco.

Por isso, a visita, "tem um significado que ultrapassa o religioso". "Isto não é uma questão aritmética ou estatística. É um ato que tem um significado cívico e cultural - a República é aberta, não é sectária".

Ao decidir como decidiu, António Costa "seguiu uma das lições de Mário Soares, que não repetiu os excessos [anti-clericais] da I República". "É bom para a abertura da República."

A decisão de António Costa de dar a tolerância de ponto aos funcionários públicos a 12 de maio - ainda não confirmada oficialmente em Conselho de Ministros - foi ontem fortemente contestada dentro do PS.

Um deputado eleito pelo Porto, Tiago Barbosa Ribeiro, abriu as hostilidades, com uma nota crítica publicada no Facebook. Foi seguido depois por outros deputados como Ascenso Simões (cuja filiação católica é conhecida), Isabel Moreira ou o eurodeputado Francisco Assis

Em socorro da decisão governamental saíram personalidades do partido como Carlos César, João Soares ou Porfírio Silva. O PSD e o CDS disseram que apoiam a decisão governamental. O Bloco de Esquerda mandou dizer que "não se opõe". O PCP expressou "dúvidas".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.