Alegações finais do caso de Vale e Azevedo

As alegações finais do julgamento de João Vale e Azevedo, em que o antigo presidente do Benfica é acusado de alegada apropriação indevida de mais de quatro milhões de euros, resultantes de transferências de futebolistas, estão programadas para hoje.

Com início às 09:30, a audiência na 3.ª Vara Criminal de Lisboa está reservada à inquirição de testemunhas, entre as quais António Leitão, diretor financeiro do Benfica durante a presidência de Vale e Azevedo, e Joaquim Botelho da Costa, seu vice-presidente.

Estas testemunhas encontram-se ausentes de Portugal e não é líquido que possam estar presentes e testemunhar, uma vez que o tribunal tem experimentado dificuldades na notificação.

Caso não haja tempo para as alegações finais, o coletivo de juízes, presidido por José Manuel Barata, terá de marcar outra data.

Vale e Azevedo, extraditado para Portugal a 12 de novembro de 2012, não estará presente no julgamento, pois usou a prerrogativa da lei no âmbito de extradição para Portugal (princípio da especialidade).

O presidente do Benfica de 03 de novembro de 1997 a 31 de outubro de 2000 alegou que "não pode ser sujeito a procedimento penal por infração praticada em momento anterior" à sua extradição, ao abrigo do mandado de detenção emitido após fixado o cúmulo jurídico de 11 anos e meio no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria.

Por isso, pediu, a 18 de dezembro do ano passado, que "cessem as sessões" na 3.ª Vara, em que, além de acusado de se apropriar de mais de 4,5 milhões de euros do Benfica, está a ser julgado pelos crimes de branqueamento de capitais, abuso de poder e falsificação de documento.

Vale e Azevedo pediu também o afastamento do juiz presidente neste processo na 3.ª Vara Criminal, mas o Tribunal da Relação de Lisboa rejeitou.

Nesta ação, o antigo presidente do clube é acusado de branqueamento de capitais, peculato, falsificação de documento e abuso de poder.

Em causa estão as transferências dos futebolistas britânicos Scott Minto e Gary Charles, do brasileiro Amaral e do marroquino Tahar El Khalej.

Por considerar ter cumprido cinco sextos da pena de 11 anos e meio de prisão efetiva, Vale e Azevedo aguarda a decisão de pedido de liberdade condicional, no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.