Quantos litros de água consome por dia

Lisboa, Bragança e Faro são as cidades onde o consumo é maior

Cada português gasta em média 187 litros de água por dia, com o consumo doméstico a representar 124 litros, tendo Lisboa a média mais elevada, com 281 litros, enquanto a maior capitação doméstica pertence a Évora.

Segundo dados da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), em 2016, a capitação de água consumida total, ou seja, a quantidade por habitante por dia foi de 187 litros e Lisboa apresenta a quantidade mais elevada, com 281 litros, seguida de Bragança (244) e de Faro (243).

Ao contrário, o gasto médio por consumidor é mais baixo em Viana do Castelo, com 144 litros por dia, e Leiria, com 163 litros.

A água consumida não se resume àquela que chega às torneiras das habitações, mas inclui também os gastos no comércio, na indústria e na agricultura.

Quando a análise tem por base a capitação de água consumida no setor doméstico, é Évora que apresenta o valor mais alto, com 175 litros por habitante por dia, e Faro, com 153 litros.

Viana do Castelo, com 101 litros de água por dia, e a Guarda, com 102 litros, apresentam os consumos mais baixos.

A água captada atingiu 799 milhões de metros cúbicos em 2016, contra 794 milhões um ano antes, e a maior parte das 6.166 captações, ou seja, 5.878, é de água subterrânea.

As entidades gestoras em alta, ou seja, aquelas responsáveis por conduzir este recurso desde a captação até aos depósitos, captaram 582 dos 799 milhões de metros cúbicos anuais

As mais de 250 entidades gestoras em baixa levam até aos consumidores a água através das redes de abastecimento e serviram 9,6 milhões de habitantes, com um consumo autorizado de 611 milhões de metros cúbicos anuais, refere o último Relatório Anual dos Serviços de Águas e Resíduos em Portugal, com dados de 2016, disponível no site da ERSAR.

Mas, daqueles 611 milhões de metros cúbicos, só são faturados 576 milhões.

A redução da água não faturada, que pode ser resultante de perdas no sistema ou de não pagamento de tarifa, é um objetivo em que o ministro do Ambiente e as organizações ambientalistas têm insistido e que ganha ainda mais importância com a situação de seca vivida no país.

Trata-se de diminuir o nível de perdas económicas e físicas correspondentes à água que, apesar de ser captada, tratada, transportada, armazenada e distribuída, não chega a ser faturada aos utilizadores.

A água não faturada em baixa foi de cerca de 30% ou 240,8 milhões de metros cúbicos em 2016, mantendo-se na comparação com o ano anterior, e em alta foi de 5,2% e tem vindo a aumentar (em 2015 foi de 5%).

O relatório da ERSAR refere que a média ponderada das tarifas aplicadas em 2016 nos sistemas de água em alta foi de 0,4941 euros por metro cúbico, menos 1,5% que em 2015.

Em 2016, o investimento total acumulado no serviço de abastecimento de água foi de 6,7 mil milhões de euros, dividido em partes sensivelmente iguais entre entidades gestoras de sistemas de titularidade estatal e de titularidade municipal, segundo o documento.

O investimento por alojamento atinge em média 808 euros, sendo mais elevado nas entidades gestoras de sistemas de titularidade estatal.

Exclusivos