Agressor de árbitro Pedro Proença é conhecido da PSP

Américo, 32 anos, o sócio do Benfica que agrediu o árbitro Pedro Proença à cabeçada no Centro Comercial Colombo, foi identificado em confrontos pelo Corpo de Intervenção no último Benfica-Sporting, a 2 de Março.

"Sócio cativo do Benfica." Foi assim que Américo, de 32 anos, se apresentou na esquadra da PSP do Colombo, na noite de segunda-feira, depois de ter dado uma cabeçada ao árbitro Pedro Proença, em plena zona pública do segundo piso do Centro Comercial Colombo, em Benfica (Lisboa). "O gajo só roubava o Benfica!", terá dito Américo aos polícias, justificando a agressão que valeu ao árbitro um ferimento na boca e dois dentes partidos.

Pedro Proença apresentou queixa-crime por ofensas à integridade física na Esquadra da PSP do Colombo. Américo saiu constituído arguido, com termo de identidade e residência. O agressor não tem antecedentes criminais.

Segundo apurou o DN, no último derby da Segunda Circular, a 2 de Março de 2011, o benfiquista Américo foi um dos desordeiros identificados pelo Corpo de Intervenção da PSP.

Leia mais no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.