Agressor de árbitro Pedro Proença é conhecido da PSP

Américo, 32 anos, o sócio do Benfica que agrediu o árbitro Pedro Proença à cabeçada no Centro Comercial Colombo, foi identificado em confrontos pelo Corpo de Intervenção no último Benfica-Sporting, a 2 de Março.

"Sócio cativo do Benfica." Foi assim que Américo, de 32 anos, se apresentou na esquadra da PSP do Colombo, na noite de segunda-feira, depois de ter dado uma cabeçada ao árbitro Pedro Proença, em plena zona pública do segundo piso do Centro Comercial Colombo, em Benfica (Lisboa). "O gajo só roubava o Benfica!", terá dito Américo aos polícias, justificando a agressão que valeu ao árbitro um ferimento na boca e dois dentes partidos.

Pedro Proença apresentou queixa-crime por ofensas à integridade física na Esquadra da PSP do Colombo. Américo saiu constituído arguido, com termo de identidade e residência. O agressor não tem antecedentes criminais.

Segundo apurou o DN, no último derby da Segunda Circular, a 2 de Março de 2011, o benfiquista Américo foi um dos desordeiros identificados pelo Corpo de Intervenção da PSP.

Leia mais no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.